Artigos

 

*Sineimar Reis

De acordo com Armando Boito percebe-se que a construção de um projeto político entre os principais movimentos sociais do Brasil contemporâneo permanece inacabada. Por diferentes razões, às quais aludimos brevemente. A hipótese que explica o contato entre os movimentos sociais e da esfera governamental em termos de cooptação política, com o problema do processo de colonização mais complexo e movimentos que causaram uma profunda distorção de seus princípios de identidades entre os processos é essencial realocar teoricamente e historicamente, para suas respectivas análises, a maneira como os principais movimentos sociais do Brasil sempre estiveram ligados aos partidos de esquerda que se dirigem ao apoio do povo. Por vezes, vários integrantes de partidos políticos, movimentos sociais, estudantis, além de intelectuais se juntam para discutir os projetos para o País e o futuro da esquerda no país; isso se relaciona com uma onda de debates principalmente em locais públicos, que tem a idéia central é assegurar as pessoas e aos jovens para não se perder para o futuro, sendo assim podendo contar com novos representantes e não deixar cair a principal força classe trabalhadora.

A organização de trabalhadores desempregados imporia duas ordens de problemas para o movimento sindical: primeiramente, esse tipo de trabalhador teria dificuldade em contribuir financeiramente para a manutenção do sindicato e, em segundo lugar, essas organizações teriam dificuldades para definir métodos de luta e uma estratégia reivindicativa eficaz. (BOITO, 2010 p. 325)

 

Tanto no Brasil quantos em outros países da América, há um ciclo político em que os partidos políticos assumem o governo com o apoio dos movimentos sociais. O desafio é enorme, pois parte da tarefa política está em gerar processos de integração social, após a decomposição social gerada pelas políticas de inspiração neoconservadora. De acordo com Rodrigues (2002) tem aumentado o desinteresse dos trabalhadores pelo sindicato. Isso se daria porque, diante do risco de diminuição do emprego, os sindicatos tendem a moderar as demandas e, assim, a se mostrarem menos úteis para os empregados. Como outras organizações sociais, os sindicatos não definem sua política em condições de plena liberdade: sofrem pressões e constrangimentos por parte do Estado e dos empregadores com os quais interage. O grau de militância ou de moderação é, pois, resultado dessa interação, e não da mera vontade ou preferência de seus integrantes (Boito, 2010). Há, portanto, vários aspectos a serem contemplados: o projeto políticoideológico, as formas de ação empregadas, as prioridades do movimento, as alianças que estabelece, a conjuntura na qual intervém, a maneira pela qual essa conjuntura é analisada. As concepções político-ideológicas dos sindicatos fazem com que eles sejam mais próximos ou distantes dos movimentos sociais, priorizem determinadas reivindicações e formas de luta, circunscrevam seu espaço de atuação ao campo propriamente sindical ou o ampliem em direção ao campo político e ao “espaço de movimentos sociais”. Mas essas concepções mudam conforme muda a conjuntura.

As redes de relacionamentos facilitaram os encontros com pessoas do mundo inteiro
 

Com uma infinidade de recursos tecnológicos – e uma gama de promoções nas passagens aéreas -, a distância, seja de cidade, estado ou país, deixou de ser um impedimento para um romance que, sim, pode dar certo. É claro que poder sair para jantar no meio da semana, pegar um cineminha e dormir de conchinha é ótimo, mas a falta de proximidade física também pode, inclusive, ser algo extremamente estimulante e fazer com que a paixão emerja com mais força.

Com uma dinâmica própria, os amores à distância assustam muita gente e alguns desistem mesmo antes de tentar. Podem estar perdendo a oportunidade de encontrar o amor da sua vida ou de viver uma experiência inesquecível. As redes de relacionamento facilitaram o encontro de pessoas que moram em lugares diferentes, seja para uma amizade ou para algo mais sério. O casal Gabriela M., 26 anos, e Fernando S., 48, se encontrou no Meu Patrocínio – plataforma que aproxima Sugar Babies, jovens bonitas e ambiciosas, de Sugar Daddies, homens bem-sucedidos em busca de relacionamentos transparentes, com acordos pré-estabelecidos. Fernando, carioca, atualmente mora nos EUA e Gabriela em Florianópolis. Há quatro meses, o casal vem mantendo um contato exclusivamente virtual. Os compromissos profissionais dele ainda não permitiram que os dois se encontrassem. Mas, para compensar, programaram um primeiro encontro em grande estilo. No início de agosto, partem para uma viagem de duas semanas pela Europa e a Grécia foi definida como ponto de encontro. No mínimo, excitante!

Digite seu e-mail:

Entregue por Grupo BEZ