Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Atualizado em 29/07/2019 - 13h04


Adalberto José de Oliveira Torquato faleceu em outubro de 2014 em acidente de trabalho

A família que morava em Betim-MG foi tentar uma vida melhor na cidade de Gaspar -SC.

E após alguns anos de progresso veio um acidente fatal que culminou com falecimento de Adalberto José de Oliveira Torquato.

A família esperou arduamente e após cinco anos de espera conseguiu na justiça o pagamento de uma indenização por danos morais após o pai de família falecer em acidente de trabalho numa queda durante em uma obra de construção civil.

O acidente que vitimou Adalberto Torquato aconteceu em outubro de 2014, no bairro Sete de Setembro. Na época a empresa em que ele trabalhava o acusou de o funcionário é quem teria sido culpado pelo ocorrido. Sendo assim, a viúva e mãe de cinco filhos, procurou a equipe do escritório Cruz & Pereira Advogados Associados para buscar seus direitos. Na decisão de primeiro grau, a Justiça do Trabalho condenou a construtora responsável pela obra a pagar uma indenização de R$ 40 mil para cada dependente do trabalhador e o pagamento do equivalente a 2/3 do salário recebido pelo falecido, até a viúva completar 70 anos ou se ela viesse a falecer antes.
O valor também seria pago aos filhos, até que completem 24 anos. Porém, após a sentença, ambas partes entraram com recursos.

Acordo 

Mas o fim do processo veio neste ano de 2019, e após um acordo entre as partes a família recebeu o pagamento, sendo que parte do valor, com concordância do Ministério Público, deve ser destinado á compra de um imóvel em nome dos filhos da viúva.
Para um dos advogados responsável pelo caso, Dr. Edson Rodrigues da Cruz, são casos como esse que dignificam à classe. "Nos orgulhamos pelo nosso trabalho, reconhecendo a brilhante participação dos defensores da empresa, que em conjunto não mediram esforços, ambos em suas teses, mas sempre com o respeito necessário, e chegamos à uma composição, de modo que, a indenização financeira jamais trará o marido de volta, mas uma moradia concretizará o maior sonho de seu falecido esposo, e com certeza trará mais conforto a ela e sua família", ressalta. "Meu marido só queria comprar uma casa para os filhos, por isso trabalhava tanto", disse a viúva. 







Com informações de Escritório Cruz & Pereira Advogados e Jornal Metas


Copyright © 2019 Tribuna de Betim - Notícias. Todos os direitos reservados.
Grupo BEZ Tecnologia e Soluções. Betim - MG - Brasil