Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Dois homens foram suspeitos de assaltar uma casa em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, na noite dessa quarta-feira (27/03/2019). 

De acordo com a Polícia Militar (PM), o dono do imóvel, localizado no bairro Ingá, foi surpreendido com a chegada de três homens, em um carro modelo Gol, que anunciaram o assalto. 

Eles vendaram a vítima, entraram na residência e pegaram televisões, celulares e dinheiro. 

Durante a fuga, os bandidos se separaram. Lucas Henrique, de 22 anos, voltou para o Gol. Igor Bastos, de 21, fugiu no veículo da vítima, um Fiat Linea. A PM foi acionada e perseguiu a dupla, que foi presa no bairro Nossa Senhora de Fátima. 

O terceiro suspeito fugiu pelos fundos e não foi encontrado.



Itatiaia

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Betim:
“Foram publicados boletins específicos dessa região. Até o momento somente o município de Betim, que faz parte dessa área afetada, que tem uma incidência mais significativa de dengue. O Ministério disponibilizou para o estado de Minas Gerais insumos específicos para esta região. O monitoramento vai ter que permanecer ao longo de todo o ano”, informou Rodrigo Said. Até o momento, Betim tem uma morte confirmada por dengue.


Minas Gerais se encontra em situação preocupante com o aumento dos casos de dengue em 2019. O número de casos registrados nas 11 primeiras semanas deste ano já é 734% maior do que o do mesmo período do ano passado, segundo dados do Ministério da Saúde. Os casos prováveis da doença – que engloba as confirmações e os suspeitos – já superaram 66 mil registros. Para se ter ideia, em 2017 e 2018 juntos foram 55.303 notificações. As mortes também estão aumentando. Já são seis óbitos confirmados. A situação pode ser ainda pior, pois há 27 casos de pacientes que não resistiram aos sintomas que ainda estão sendo investigados.

O estado se encontra na 5ª posição entre os que apresentam alta incidência de dengue (maior que 100 casos por 100 mil habitantes), com 261,2 casos a cada 100 mil habitantes. Na frente de Minas estão ta incidência da doença, ou seja, estão com a incidência maior que 100 casos por 100 mil habitantes: Tocantins (602,9 casos/100 mil hab.), Acre (422,8 casos/100 mil hab.), Mato Grosso do Sul (368,1 casos/100 mil hab.) e Goiás (355,4 casos/100 mil hab.). Após Minas Gerais, vem o Espírito Santo (222,5 casos/100 mil hab.) e Distrito Federal (116,5 casos/100 mil hab.).

O alerta em Minas já foi feito por autoridades de saúde. Neste três primeiros meses, a dengue mostra a tendência de ano epidêmico. Mas, com menor intensidade do que as últimas epidemias, segundo a Secretaria de Estado de Saúde (SES/MG). O secretário-adjunto de Estado de Saúde, Bernardo Ramos, afirmou que as piores epidemias ocorrem no intervalo de três anos. As outras três doenças causadas pelo Aedes, chikungunya, febre amarela e zika estão seguindo padrões habituais. “Há várias hipóteses sobre esses surtos mais duros, como os fenômenos el niño e la niña, mas nada comprovado”, disse. O coordenador do Departamento de Dengue do Ministério da Saúde, Rodrigo Said, considerou o aumento de casos em Minas como “significativo” e classificou a situação como “preocupante”.

O sorotipo 2 da dengue continua a ser o predominante nas regiões Sudeste e Centro-Oeste. Ele não circulava no Brasil desde a década passada, de modo que um grande número de pessoas não tem proteção contra ela. Os sintomas são os mesmos dos demais, no entanto ele é capaz de gerar quadros mais graves quando comparados com os outros três sorotipos. “Os estados da região Sudeste (do país) principalmente São Paulo, Minas e o Espírito Santo, que têm números significativos, precisam avançar em relação as atividades para tentar mitigar o crescimento dessa curva porque temos cenário propício até o mês de abril”, alerta o coordenador.

Avaliação do Usuário: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

Medioli sofre quinta derrota consecutiva no TJMG. Terá de responder acusações do Gaeco e da Polícia Federal em SP e no RS

 

Por unanimidade, os cinco desembargadores integrantes da 6ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) decidiram ontem, não conhecer o Agravo Interno interposto pela defesa do político e empresário Vittorio Medioli. Junto com outros 11 acusados, incluindo vários executivos da Tegma, Gestão Logística, o proprietário do grupo Sada e atual prefeito de Betim (município localizado na Região Metropolitana de Belo Horizonte) é denunciado por formação de cartel e de quadrilha. Julgamento no TJ mineiro ocorreu nessa terça-feira, 19 de março.

A ação penal é oriunda do Grupo de Atuação Especial de combate ao Crime Organizado (Gaeco) de São Bernardo do Campo (SP). A ação que tramitava na comarca paulista foi encaminhada ao TJ de Minas Gerais, por conta da prerrogativa de foro a que têm direito os prefeitos, mas os desembargadores decidiram que Medioli não possui tal prerrogativa, porque os possíveis crimes teriam sido cometidos na atividade privada, não guardando nexo com atos como prefeito.

No ano passado, a relatora-desembargadora Denise Pinho da costa Val já havia declinado da competência, determinando a devolução da peça acusatória para a comarca de São Bernardo do Campo. A defesa ingressou com embargos de declaração, o que não foi aceito pelos desembargadores. Logo a seguir, no início deste ano, Medioli ingressou com Recurso Interno, que foi julgado nessa terça-feira (19) e desconhecido por unanimidade pelos cinco integrantes da 6ª Câmara Criminal do TJMG.

A defesa do prefeito tenta, de todas as formar possíveis, manter a prerrogativa de foro do prefeito de Betim e proprietário do Grupo Sada, visando a garantir o julgamento no TJ mineiro, mas não está conseguindo convencer os desembargadores.

Polícia Federal
Em outro inquérito da Polícia Federal, que tramita na 5ª Câmara Criminal do TJMG, os desembargadores também decidiram que Medioli não possui prerrogativa de foro privilegiado porque as acusações também recaem sobre sua atuação como empresário. De acordo com a decisão, no inquérito, a autoridade policial aponta Medioli como o suposto chefe da quadrilha que atua no setor de transporte de veículos novos em todo o país. Tal ação não tem nenhum nexo com a administração pública municipal desempenhada atualmente pelo prefeito, justificou o relator, desembargador Adilson Lamounier.

A defesa ingressou com embargados de declaração. Igualmente os desembargadores mantiveram a decisão. O inquérito deverá ser encaminhado para a comarca de Porto Alegre (RS). A defesa ajuizou recentemente Recurso Extraordinário. Sendo admitido, terá julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF).




Livre Concorrencia

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Muito humor, comédia e boas gargalhadas num evento gratuito.”

O Monte Carmo recebe novamente nesta quinta-feira, 28 (quinta-feira), às 20h na Praça de Alimentação, o projeto “Noite da Comédia Monte Carmo” aberto ao público e com entrada gratuita.

O humorista Totonho comanda o evento com muita descontração e recebe pela segunda vez, o imitador Gilberto Rodriguez, o Portuga, que começou sua carreira na Rádio Energia 97 de São Paulo. Apresentou o programa Estádio 97 fazendo as mais variadas imitações do mundo do futebol, cenário político e entretenimento em geral. Atualmente, trabalha no programa humorístico “Barba, Cabelo e Bigode” na rádio Super com mais de cem vozes e levando muito humor aos ouvintes.

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Ainda há 18 óbitos de pessoas que apresentaram sintomas da enfermidade. Esses casos estão sendo investigados. O número de casos prováveis, que engloba os confirmados e os suspeitos, já ultrapassa 44 mil

A dengue segue matando em Minas Gerais. O estado confirmou as duas primeiras mortes da doença em 2019. As vítimas moravam em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, e em Uberlândia, no Triângulo Mineiro. A situação pode ser ainda pior. Ainda há 18 óbitos de pessoas que apresentaram sintomas da enfermidade. Esses casos estão sendo investigados. O número de casos prováveis, que engloba os confirmados e os suspeitos, já ultrapassa 44 mil. Valor superior ao registro nos últimos dois anos.

A situação vivida em Minas Gerais é de alerta contra a dengue. Em 2019, a doença segue a tendência de anos epidêmicos. Porém, segundo a Secretaria de Estado de Saúde (SES/MG), “com menor intensidade que as duas últimas epidemias”. A cada três anos, a moléstia registra picos de contaminação. Em 2016, 519 mil casos prováveis foram registrados no estado. Três anos antes, foram 414 mil registros, e em 2010, 212 mil.

Neste ano, as contaminações só aumentam. Já são 44.230 casos prováveis registrados. O valor já é superior aos dois últimos anos. Nos doze meses de 2018 e 2017, foram notificados 30.022 e 25.933 casos, respectivamente.

De acordo com a SES/MG, 39 municípios apresentaram incidência muito alta de casos prováveis de dengue, 30 com incidência alta e 83 com média incidência. Outras 283 cidades estão com baixa incidência e 418 estão sem registro de casos prováveis.

Mortes


Minas Gerais registrou as duas primeiras mortes por dengue neste ano. Os óbitos foram registrados em moradores de Betim e Uberlândia. A SES ainda investiga outros 18 mortes. Exames estão sendo analisados.  Em 2018, foram nove mortes confirmadas em moradores de Araújos, Arcos, Conceição do Pará, Contagem, Ituiutaba (dois), Lagoa da Prata, Moema e Uberaba.  Ainda são apurados outros 14 óbitos.

Zika e chikungunya


Outras doenças transmitidas pelo Aedes aegypti também apresentam alta. Minas já registrou, neste ano, 640 casos prováveis de febre chikungunya. Entre eles, 18 gestantes, sendo três confirmações.  Em 2018, foram 11.765 notificações e duas mortes confirmadas. Uma morte ainda está sendo investigada. Não tem registro de óbitos pela enfermidade em 2019.

No caso da zika, foram registrados 187 casos prováveis da doença neste ano. Entre eles, 46 gestantes. Três gestantes tiveram a confirmação da doença. No ano passado, foram 176 casos prováveis da doença.



Uai