Cidades

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

 

Iniciativa é parceria entre a Escola, CGU, Fiocruz, Sedese e os conselhos municipal e estadual de assistência social.

Estão abertas as inscrições para os cursos virtuais sobre participação e controle social, desenvolvidos para integrantes dos conselhos municipais de políticas públicas e abertos à sociedade civil. Será ofertado o módulo básico para introdução ao assunto e dois módulos avançados: um sobre saúde e outro sobre assistência social. As capacitações são independentes e o módulo básico é indicado para iniciantes.

Os interessados podem se inscrever até 22 de novembro na página de educação a distância da Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). Os cursos ficarão disponíveis de 2 de setembro a 29 de novembro.

As atividades propõem disseminar a ideia de que a participação ativa da sociedade é essencial para a mudança do Brasil, apresentando e discutindo temas relacionados à transparência pública, à participação e às estruturas de controle institucional e social.

A iniciativa é uma parceria entre a Escola do Legislativo, a Controladoria-Geral da União (CGU), Controladoria-Geral do Estado (CGE), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese), Conselho Estadual de Assistência Social de Minas Gerais (Ceas) e Conselho Municipal de Assistência Social de Belo Horizonte (CMAS).

--

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Há três anos atuando em Belo Horizonte, a Apsa, uma das maiores empresas nacionais do mercado de administração condominial, está se consolidando no mercado imobiliário da capital mineira. Com 85 anos de experiência e presente em seis estados do país, além do Distrito Federal, a imobiliária quer estreitar ainda mais os laços com parceiros, a fim de construir um mercado ainda mais sustentável no setor. Para isso, a empresa realiza no próximo dia 4 de setembro, no WEWork, no Shopping Boulevard, o evento "Cidades inteligentes e construções - Perspectivas do mercado imobiliário mineiro".

 

Convidando os principais players do mercado imobiliário de Belo Horizonte e região, a Apsa quer debater o futuro do setor na capital de Minas Gerais, observando e discutindo novas possibilidades e tendências no Brasil e no mundo. Além de um painél para apresentar os produtos da Apsa e sua atuação na capital, o evento ainda terá como convidada especial Anielle Guedes, para falar sobre cidades inteligentes e construção. Referência internacional em inovação na construção civil e no urbanismo, Anielle é especialista em desenvolvimento econômico através da tecnologia e ciência e empreendedora com foco em tecnologias emergentes. Com pós-graduação pela Singularity University, da Califórnia (EUA), e pelo Istituto Europeo di Design, já trabalhou com organizações como a ONU e a NASA, além de ser conselheira do Governo Federal.

 

Leonardo Schneider, diretor superintendente da Apsa, também será um dos palestrantes e falará sobre as perspectivas do mercado imobiliário em MG. Pós-graduado em Marketing e Gestão de Negócios pela FGV e IBMEC, Leonardo também é vice-presidente do Secovi Rio e vice-chair Global Business Fórum do Institute of Real State Management. O evento será aberto para a imprensa.

 

Desde 2016 trabalhando na capital mineira, a Apsa administra atualmente cerca de 4500 unidades em Belo Horizonte. Recentemente, a empresa assumiu a administração do Medplex e do The Plaza, condomínios de alto padrão.

 

SERVIÇO

"Cidades inteligentes e construções - Perspectivas do mercado imobiliário mineiro"

Data: 04 de setembro (quarta-feira)

Horário: 8h às 11h45

Local: WeWork, Shopping Boulevard

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Um projeto de lei que tramita na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) pretende proibir eventos open bar, que são festas com bebida alcoólica à vontade. A proposta é do deputado Roberto de Andrade (PSB) e tem como principal objetivo a redução do consumo de álcool entre os jovens.

Psiquiatra e presidente do Conselho Estadual de Políticas Sobre Drogas em Minas, Aluízio Andrade é favorável à medida e diz que a prática de beber sem limite causa vários problemas entre os jovens.

Segundo o especialista, “todo ser humano tem certa tendência ao uso de bebidas alcoólicas porque são substâncias que relaxam”. Porém, para que o equilíbrio mental seja mantido, esse consumo tem que ser moderado.

Ele explica que, inicialmente, ao ingerir álcool, são “anestesiados” níveis superficiais da consciência, que provocam relaxamento. Porém, em grandes quantidades, “são anestesiados níveis mais profundos e a questão da sexualidade e da agressividade exacerbam e afloram. Por isso tem que se haver um limite e um controle”.

Para o psiquiatra, uma das formas de moderar é fazer com que a pessoa tenha a consciência do quanto de bebida ela ingere. “Pagar x de reais e poder beber o quanto quiser é totalmente antipedagógico, perigoso e antissocial”, conclui.

O presidente Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Ricardo Rodrigues, no entanto, discorda da visão do especialista. Para ele, a medida não reduziria o consumo de bebida alcoólica em excesso entre os jovens e provocaria um grande impacto na economia.

“O que a gente busca é muito mais leis fazendo o papel de educação do que de proibição. Precisamos de mais empresa e menos estado. Acho que o estado não tem que legislar em função de proibir um formato de venda de bebidas”, analisa.

A reportagem foi às ruas de Belo Horizonte para saber a opinião das pessoas sobre o projeto de lei, que mostrou ser polêmico.

Enquanto Thiago Antunes acha que é bobagem e que o open bar “facilita para os jovens pagarem menos, e que tendo ou não o open bar “as pessoas vão beber do mesmo jeito”, Bruno é favorável à medida: “Se pagar R$ 50 para beber a noite inteira, a pessoa vai beber, beber e beber até ficar ruim. Então, se você vai para um lugar e tem que pagar por garrafa, limita um pouco”, avalia.








Itatiaia

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Plataformas elevatórias devem substituir cadeiras de transbordo, mas poucos coletivos atendem às novas exigências.



Deputados fizeram visita técnica à direção do DEER e disseram que pretendem verificar acessibilidade nos terminais rodoviários - Foto: Ricardo Barbosa

Os ônibus fabricados a partir de meados de 2018, para circulação intermunicipal, devem, obrigatoriamente, contar com plataformas elevatórias em substituição às cadeiras de transbordo, para atendimento às pessoas com deficiência de locomoção. Contudo, a maior parte da frota em circulação em Minas Gerais é anterior a essa data, o que traz uma série de transtornos para esse segmento da população.

Esses e outros problemas de acessibilidade foram tratados por deputados da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), em visita técnica da Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência à direção do Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DEER-MG), nesta terça-feira (20/8/19).

A visita é desdobramento de audiência pública realizada em maio deste ano, quando pessoas com deficiência e seus familiares ou cuidadores reclamaram da falta de acessibilidade nos coletivos, principalmente os intermunicipais. Eles se queixaram, também, de que a maioria dos ônibus que ostentam o selo de acessibilidade, na prática não oferece o serviço, configurando-se, assim, propaganda enganosa.

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Até o dia 22 de agosto, a garotada poderá conferir exposição, oficinas e brincadeiras no Museu Brasileiro do Futebol

 

 As férias escolares estão acabando, mas ainda dá tempo de curtir o espetáculo brincante "O Quintal da Guegué", promovido pelo Projeto Itinerante do Museu dos Brinquedos, na Esplanada do Mineirão, no dia 03 de agosto, sábado, às 11 horas. A apresentação é entrada gratuita, sem a necessidade de retirada de ingresso.

"O Quintal da Guegué" brinca com diversas linguagens expressivas, integrando música criativa, teatro, histórias cantadas e brincadeiras musicais, de forma bem dinâmica para atrair até os mais pequeninos. Além das histórias cantadas que trazem vida a bonecos e objetos cênicos diversos, o espetáculo apresenta um repertório musical formado por canções do universo infantil, criando um diálogo entre cantigas populares e autorais em ritmo de muita alegria e brincadeira.

Guegué é atriz e brincante. Dizem que ainda pequena, tomou uma chuva mágica que a transformou numa encantadora de crianças. O Lobo é o músico e maestro do Quintal. Toca violão, guitarra e baixo, mas se colocarem uma batera em sua frente, ele leva também!

A programação gratuita e diversificada do Projeto Itinerante do Museu dos Brinquedos prossegue, até o dia 22 de agosto, no Museu Brasileiro do Futebol, localizado no Mineirão (Av. Coronel Paschoal s/n – Pampulha). Os visitantes podem conferir a exposição e ainda se divertir com as brincadeiras e as oficinas.

Já educadores, pais, familiares e a comunidade em geral poderão participar das atividades formativas. Os interessados poderão se inscrever gratuitamente pelo link http://bit.ly/4cursoformacaomuseu. As vagas são limitadas.

A itinerância do Museu dos Brinquedos conta com o apoio cultural do Museu Brasileiro do Futebol, do Mineirão e do Movimento BH pela Infância e o patrocínio das GASMIG, através da Lei Federal de Incentivo à Cultura. Importante ressaltar que somente as atividades do Projeto Itinerante do Museu dos Brinquedos é gratuita. A visita aos bastidores do Mineirão e às salas do Museu Brasileiro do Futebol custam R$20, com meia entrada conforme legislação vigente.

Atrações

A Exposição “Tempo Será – histórias e memórias do brincar” apresenta 150 brinquedos de diferentes épocas e culturas que contam a história da sociedade, valorizando a importância do brincar e ressignificando o consumo de brinquedos.

A exposição pode ser visitada de terça à sexta-feira, de 9 às 17 horas, e aos sábados e domingos, de 9 às 13 horas. Os horários estão sujeitos a alterações devido a jogos e eventos no Mineirão. As visitas serão conduzidas por educadores do Museu dos Brinquedos. As visitas em grupo devem ser agendadas no telefone (31) 99953 6020 e 3261 3992.

As Oficinas de Construção de Brinquedos estimulam as crianças a montar, com criatividade e diversão, brinquedos a partir de materiais reciclados e de baixo custo. E no Espaço de Brincadeiras, as crianças podem conhecer a diversão em brinquedos de antigamente, como perna de pau, perna de lata, pula corda, elástico, amarelinha, peteca, Cama de Gato, Jogo da Velha, Futebol de prego, jogos de tabuleiros e outras brincadeiras coletivas. Tudo gratuito e conduzido pela equipe do Museu dos Brinquedos.

Atividades Formativas

O Museu Brasileiro do Futebol recebe ainda cursos e atividades formativas voltados para educadores, pais, familiares e a comunidade em geral, visando não só a diversão, mas também contribuir com formação cidadã. Os interessados poderão se inscrever gratuitamente pelo link http://bit.ly/4cursoformacaomuseu. As vagas são limitadas.

No dia 07 de agosto (quarta-feira), de 14 às 17 horas, será realizada a “Oficina Vivências lúdicas: o despertar do ser brincante”. A oficina tem como objetivo a reflexão sobre o universo lúdico infantil por meio de jogos, brincadeiras, música, ritmo do movimento corporal e da construção de brinquedos. O conteúdo da oficina permite a educadores e demais interessados a busca de novas formas educativas para incentivar o desenvolvimento da infância de forma plena.

A atividade será ministrada por Rodrigo Libanio Christo, grande defensor da infância, educador e brincante há mais de quarenta anos. Idealizador do projeto Voluntários Brincantes, possui um canal no YouTube que reúne brincadeiras, canções tradicionais da cultura popular e seus jogos educativos confeccionados com material reaproveitado.

No dia 08 de agosto (quinta-feira) de 14 às 17 horas, será realizada a “Oficina Tempo da infância: o brincar como linguagem principal da criança”. A proposta da oficina é promover um diálogo sobre o tempo e o espaço do brincar na vida das crianças e os benefícios das atividades em grupo, na natureza e nos espaços públicos, destacando o papel da família e dos educadores na garantia de uma infância plena a partir da brincadeira.

A atividade será ministrada por Fernanda Clímaco, mestre em Educação, Gestão Social e Desenvolvimento Local pela UNA. Pedagoga, graduada na PUC/MG e especialista em Construtivismo e Educação na FLACSO/Argentina, em parceria com a UAM - Universidade de Madrid. Pós-graduada em Infância, Cultura e Práticas Formativas, na universidade FUMEC. Diretora da EPI - Escola de Professores da Infância.

No dia 12 de agosto (segunda-feira), de 14 às 17 horas, o Mineirão receberá a Oficina “Todas as infâncias: o pensar e o agir pela diversidade e por uma sociedade inclusiva”, ministrada pela escritora e ativista da inclusão Mariana Rosa. A oficina aborda a vulnerabilidade e a deficiência como características inerentes à natureza humana e convida ao reconhecimento e à valorização da diversidade para uma educação na perspectiva inclusiva. Incentiva um olhar sensível para a transformação da cidade em um espaço acessível para todas as infâncias.

Mariana Rosa é jornalista e escritora, graduada em Comunicação Social pela UFMG e pós-graduada em Responsabilidade Social pela PUC-Minas. É embaixadora mineira da ONG Prematuridade e facilitadora de grupos de acolhimento de famílias de pessoas com deficiência. Ativista da inclusão e autora do blog e do livro Diário da Mãe da Alice.

E no dia 13 de agosto (terça-feira) de 14 às 17 horas, acontece a última atividade formativa, a Oficina “A criança e a cidade: pela transformação do espaço urbano”, ministrada pela jornalista e ativista da infância Desirée Ruas. A oficina incentiva a reflexão sobre a forma como o espaço público dialoga com a infância e como deve ser uma cidade que entende as necessidades das crianças. Discute também as formas de mobilização para que a cidade seja interessante, acessível e segura para todas as crianças.

Desirée Ruas é graduada em Comunicação Social pela UFMG, especialista em Educação Ambiental e Sustentabilidade e multiplicadora em Educação para o Consumo. Jornalista e integrante do grupo de mobilização da Rede Brasileira Infância e Consumo – Rebrinc e do núcleo Aliança pela Infância em Belo Horizonte. É co-idealizadora do movimento BH pela Infância e ativista pelos direitos das crianças.

Projeto Itinerante do Museu dos Brinquedos no Museu Brasileiro do Futebol

 

Atrações culturais – às 11 horas – na Esplanada do Mineirão

03/08 - sábado: Quintal da Guegué - Espetáculo brincante

 

Exposição “Tempo Será – histórias e memórias do brincar”, oficinas e brincadeiras:

- Terça à sexta-feira, de 9 às 17 horas, com permanência até as 17 horas*

- Sábados e domingos, de 9 às 13 horas, com permanência até as 13 horas*

*Horário sujeito a alteração devido a jogos e eventos no estádio

Período: Até 22 de agosto

Visitas de grupo devem ser agendadas pelos telefones 99953 6020 e 3261 03992

 

Atividades formativas - “Tempo da Infância – Encontros para pensar a criança”

Oficina 1: Vivências lúdicas: o despertar do ser brincante

Palestrante: Rodrigo Libanio Christo - educador, brincante e artista

07 de agosto - quarta-feira – de 14 às 17 horas

 

Oficina 2: Tempo da infância: o brincar como linguagem principal da criança

Palestrante: Fernanda Clímaco, pedagoga

08 de agosto - quinta-feira – de 14 às 17 horas

 

Oficina 3: Todas as infâncias: o pensar e o agir pela diversidade e por uma sociedade inclusiva Palestrante: Mariana Rosa, escritora e ativista da inclusão

Palestrante: Mariana Rosa, escritora e ativista da inclusão

12 agosto - segunda-feira – de 14 às 17 horas

 

Oficina 4: A criança e a cidade - A invisibilidade e os desafios da infância no espaço urbano

Palestrante: Desirée Ruas, jornalista e ativista da infância

13 agosto - terça-feira – de 14 às 17 horas

 

Inscrições no link: http://bit.ly/4cursoformacaomuseu

 

✉ Museu Brasileiro do Futebol – Mineirão - Av. Coronel Oscar Paschoal, s/n, - Pampulha, Belo Horizonte – MG

 

Sobre Museu dos Brinquedos

O Museu dos Brinquedos foi aberto em 2006, com a missão de preservar e difundir o patrimônio cultural lúdico da infância no Brasil. De uma coleção particular de brinquedos da querida Vovó Luiza, surgiu a valorização do ato de brincar. De lá pra cá ele vem se transformando e transformando pessoas. Já recebeu cerca de 95 mil visitantes espontâneos, 170 mil visitantes de escolas, universidades e grupos de terceira idade e promoveu mais de 300 apresentações culturais e mais de 60 ações e projetos itinerantes e de formação. O Museu conta com patrocínio da Gasmig e do Instituto Unimed-BH como mantenedor, por meio do incentivo de mais de 5 mil médicos cooperados e colaboradores, e apoio das empresas Marcelo Guimarães Advogados e Associados e DectaContabilidade.

 

Informações: (31) 99953 6020 e 3261 3992

museudosbrinquedos.org.br

@museudosbrinquedos