Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Um projeto de lei que tramita na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) pretende proibir eventos open bar, que são festas com bebida alcoólica à vontade. A proposta é do deputado Roberto de Andrade (PSB) e tem como principal objetivo a redução do consumo de álcool entre os jovens.

Psiquiatra e presidente do Conselho Estadual de Políticas Sobre Drogas em Minas, Aluízio Andrade é favorável à medida e diz que a prática de beber sem limite causa vários problemas entre os jovens.

Segundo o especialista, “todo ser humano tem certa tendência ao uso de bebidas alcoólicas porque são substâncias que relaxam”. Porém, para que o equilíbrio mental seja mantido, esse consumo tem que ser moderado.

Ele explica que, inicialmente, ao ingerir álcool, são “anestesiados” níveis superficiais da consciência, que provocam relaxamento. Porém, em grandes quantidades, “são anestesiados níveis mais profundos e a questão da sexualidade e da agressividade exacerbam e afloram. Por isso tem que se haver um limite e um controle”.

Para o psiquiatra, uma das formas de moderar é fazer com que a pessoa tenha a consciência do quanto de bebida ela ingere. “Pagar x de reais e poder beber o quanto quiser é totalmente antipedagógico, perigoso e antissocial”, conclui.

O presidente Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Ricardo Rodrigues, no entanto, discorda da visão do especialista. Para ele, a medida não reduziria o consumo de bebida alcoólica em excesso entre os jovens e provocaria um grande impacto na economia.

“O que a gente busca é muito mais leis fazendo o papel de educação do que de proibição. Precisamos de mais empresa e menos estado. Acho que o estado não tem que legislar em função de proibir um formato de venda de bebidas”, analisa.

A reportagem foi às ruas de Belo Horizonte para saber a opinião das pessoas sobre o projeto de lei, que mostrou ser polêmico.

Enquanto Thiago Antunes acha que é bobagem e que o open bar “facilita para os jovens pagarem menos, e que tendo ou não o open bar “as pessoas vão beber do mesmo jeito”, Bruno é favorável à medida: “Se pagar R$ 50 para beber a noite inteira, a pessoa vai beber, beber e beber até ficar ruim. Então, se você vai para um lugar e tem que pagar por garrafa, limita um pouco”, avalia.








Itatiaia