Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

* por Tom Coelho

“A maior habilidade de um líder é desenvolver

qualidades extraordinárias em pessoas comuns.”

(Abraham Lincoln)

Há alguns meses eu retornava de um evento no interior de Minas Gerais, trafegando pela Rodovia Fernão Dias, quando repentinamente senti uma forte dor na região lombar.

Imediatamente parei o carro no acostamento, desci para me alongar, mas de nada adiantou. Pesquisei o hospital privado mais próximo e, com muita dificuldade, quinze minutos depois estava lá. Entreguei meu documento de identidade na recepção, pois sequer era possível aguardar qualquer procedimento. Porém, a partir daí, passei por uma das piores experiências que já tive.

Resumidamente, fiquei naquele hospital por sete horas recebendo um péssimo atendimento. Para exemplificar, somente cheguei a ser medicado quando literalmente caí no chão de dor. Após uma série de exames foi identificado que o problema era um cálculo renal. Mas a mediocridade dos profissionais era tamanha que o médico que me assistia, ao terminar seu turno de trabalho, sequer teve o mínimo de respeito em me informar (bem como aos demais pacientes) quem daria continuidade no atendimento.

Consciente de que aquele local não seria adequado, em hipótese alguma, para uma eventual cirurgia, consegui ser medicado com uma dose de morfina que me permitiu pegar a estrada e retornar a São Paulo, onde me dirigi ao Hospital 9 de Julho. Lá, tudo mudou!

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

* por Tom Coelho

“Amamos quem está conosco não por quem a pessoa é,

mas por quem nos tornamos na presença dela.”

(Gabriel García Márquez)

Coloque de lado, por alguns instantes, os problemas políticos e econômicos que atingem nosso país, os ataques terroristas que vicejam pelo mundo, as fontes de ansiedade e angústia que nos afligem e faça uma breve reflexão sobre o que realmente importa: o amor e as relações afetivas que regem sua vida.

O amor está no olhar. Há um brilho especial e único, facilmente reconhecido por qualquer pessoa que esteja no entorno a observar. São os mesmos olhos a marejar em situações de tristeza ou alegria extrema, e que também se comprimem pelo ódio em situações de decepção. São os olhos que admiram e contemplam fotos do passado, responsáveis por registrar momentos únicos eternizados na memória e no coração.

O amor está nos ouvidos. Na capacidade de escutar, e não apenas de ouvir. O silêncio como respeito e não por indiferença. Isso envolve empatia, declinando de convicções pessoais e, por vezes, renunciando em favor do outro. É compreender e entender, aprendendo a perdoar até o que racionalmente seria inadmissível. Ouvidos que estimam a voz, a melodia das palavras, uma música em comum que resgata ocasiões especiais. Apreciar uma história como quem ouve um pequeno conto infantil ditado pelos pais ao lado da cama.

O amor está no olfato. No prazer de sentir a fragrância da pessoa amada, não necessariamente perfumada por alguma essência industrializada. No aroma que emana da cozinha enquanto um prato tão simples quanto especial é preparado com carinho e esmero.

O amor está no paladar. No sabor e prazer de um beijo que acelera o pulso e que idealmente não deveria ter fim. Está na satisfação de compartilhar uma refeição, não pelo alimento em si, mas pela companhia.

O amor está no toque. No carinho de um abraço fraterno que ilustra uma amizade autêntica, por vezes cultivada há anos e que se manifesta em um encontro eventual cuja intensidade remete à primeira vez. Em relações harmoniosas marcadas por bocas que se encontram, braços que se enlaçam, corpos que se aquecem.

Amar é tolerância e concessão. Não é receber, é dar, desejando o bem ao outro. É superar adversidades. É viver com intensidade e saber lidar com a dor, o sofrimento e a frustração. É ser melhor com o outro, ao lado do outro.

O amor se aprende: quanto mais se conhece, mais se ama. O amor se desenvolve: quanto mais se desfruta, mais cresce. O amor se vive: com acolhimento, carinho e generosidade.

Cuide bem de quem você ama. E feliz Dia dos Pais!

* Tom Coelho é educador, palestrante em gestão de pessoas e negócios, escritor com artigos publicados em 17 países e autor de nove livros. E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. Visite: www.tomcoelho.com.br,www.setevidas.com.br e www.zeroacidente.com.br.

 

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

* por Tom Coelho

 

“Por tão poucos terem tanto

é que tantos têm tão pouco."

(Eduardo Marinho)

 

 

A Forbes, revista de negócios norte-americana, publica anualmente uma lista avaliando o patrimônio dos bilionários em todo o mundo. A edição deste ano novamente apresenta nas três primeiras posições Bill Gates, fundador da Microsoft; Carlos Slim Helu, do setor de telecomunicações; e o banqueiro Warren Buffet. Juntos, eles detêm ativos da ordem de US$ 224 bilhões, o equivalente ao patrimônio estimado de cerca de 900 milhões de pessoas.

 

Os dados ficam ainda mais alarmantes se tomarmos como referência os ativos dos dez mais ricos. Neste caso, chegamos a um total de US$ 551 bilhões, comparável ao patrimônio de algo em torno de 2 bilhões de pessoas no planeta!

 

Uma análise da referida lista de bilionários da Forbes a partir de 2009, ano seguinte à crise econômica mundial, mostra um crescimento médio anual de 14% no patrimônio do grupo dos dez. Enquanto isso, o PIB mundial evoluiu pouco acima de 3% ao ano.

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

* por Tom Coelho

 

“A maioria de nós prefere olhar para fora

e não para dentro de si mesmo."

(Albert Einstein)

 

 

Observe a chegada da prova de 100 metros no Mundial de Atletismo de Pequim, na qual o jamaicano Usain Bolt venceu o norte-americano Justin Gatlin por apenas 1 centésimo de segundo. Enquanto Bolt projeta a cabeça para frente, na linha de chegada, Gatlin a inclina para a esquerda, possivelmente tentando observar com visão periférica o desempenho de seu adversário.

 

É evidente que a ínfima diferença de tempo que determinou campeão e vice decorreu de aspectos diversos, desde a largada, com o tempo de reação na saída dos blocos, passando pelo desempenho durante a fase de aceleração até a chegada. Porém, é possível que o americano ganhasse aquele único centésimo se tivesse focado exclusivamente em si, em vez de se preocupar com o concorrente...

 

Isso remete a uma lição válida para todos nós, seja na vida pessoal ou profissional: olhe menos para os lados e procure cuidar de sua própria vida para alcançar o almejado sucesso.

 

No mundo corporativo, é muito comum vermos a inveja preconizar quando alguém recebe um elogio ou uma promoção. O que poderia funcionar como inspiração, oferecendo lições a serem compartilhadas para o autodesenvolvimento de todos, alimenta um comportamento egoísta, provocando reflexões como “Por que não fui eu a pessoa contemplada?”, ou ainda pior, “Esta pessoa não merecia tal reconhecimento!”.

 

Por isso, lembre-se do seguinte. Aprenda a olhar para frente, vislumbrando seu futuro, pois é lá que você passará o resto de sua vida. Imagine-se um, cinco, dez, vinte e cinco anos adiante e responda a si mesmo o que estará fazendo, quem estará ao seu lado, quais serão suas conquistas e, fundamentalmente, qual o legado que estará construindo.

 

É válido também olhar eventualmente para os lados desde que para aprender com seus pares e, desta forma, impulsionar sua trajetória.

 

Porém, jamais se esqueça de olhar para trás, não com o intuito de contemplar de forma melancólica o passado (diz um provérbio russo que “ter saudades do que já passou é correr atrás do vento”) mas sim de observar o quanto do caminho já percorreu, enaltecendo suas vitórias, saboreando os frutos de sua evolução, aprendendo a deixar para trás tudo o que não precisa carregar consigo, como mágoas, ressentimentos e frustrações.

 

Ouça sua intuição e siga as batidas de seu coração!

 

 

* Tom Coelho é educador, palestrante em gestão de pessoas e negócios, escritor com artigos publicados em 17 países e autor de oito livros. E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. Visite: www.tomcoelho.com.br e www.setevidas.com.br.

 

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

* por Tom Coelho

 

“O que a gente esconde

é mais ou menos o que os outros descobrem."

(André Breton)

 

 

Apenas uma semana. Este foi o tempo necessário para eclodir um dos maiores escândalos envolvendo o futebol em âmbito mundial. Primeiro, a prisão de sete dirigentes ligados à Fifa, a pedido da justiça norte-americana, com base em investigações promovidas pelo FBI desde 2011. Depois, a renúncia de Joseph Blatter, presidente eleito para seu quinto mandato consecutivo à frente da entidade.

 

As suspeitas apontam para um esquema de corrupção generalizado envolvendo contratos de marketing, direitos de imagem, além das disputas para sediar os torneios da Rússia, em 2018, e do Catar, em 2022. E, certamente, isso é apenas o início.

 

No mundo do esporte, o nome do jogo é jogatina. Recentemente o Banco do Brasil suspendeu o patrocínio à Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) após descumprimento do acordo firmado no ano passado para gestão lícita dos recursos financeiros, devido a investigação da Controladoria Geral da União (CGU) que levou, inclusive, à renúncia do então presidente Ary Graça, no comando da entidade desde 1995.

 

Dias atrás, o Santos Futebol Clube ingressou com ação formal para contestar os valores da transferência de Neymar Júnior para o Barcelona, em 2013, num processo há tempos sob investigação da justiça espanhola.

 


Powered by OrdaSoft!