Economia

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Fecomércio MG aponta que 40% dos consumidores pretendem ir às compras na última sexta-feira do mês (29/11); descontos poderão ultrapassar 50%

 

O mês de novembro é marcado tradicionalmente pelas ações de Black Friday, que surgiram nos Estados Unidos e ganharam força no Brasil nos últimos anos. Cada vez mais presente no comércio, a data deve levar milhares de consumidores ao comércio de Belo Horizonte. Segundo a pesquisa elaborada pela Fecomércio MG, cerca de 40% dos consumidores aguardam a chegada da Black Friday para ir às compras e 50% planejam gastar valores superiores a R$ 500 no período.

 

Neste ano, a Black Friday acontecerá na última sexta-feira do mês (29/11), estendendo-se, em alguns casos, até a segunda-feira seguinte, a chamada Cyber Monday. A cada edição, a ação se consolida no país e atrai novos clientes. “Além das compras planejadas, a data favorece o consumo pela oportunidade, tornando-se um bom momento para que o comércio invista em ações para atrair o consumidor, que, mesmo sem planos de compras, procura por preço e variedade de produtos,” explica o economista-chefe da Federação, Guilherme Almeida.

 

De acordo com a pesquisa, mais de 62% dos consumidores afirmaram que, mesmo sem planejar, poderão ir às compras, caso os descontos sejam atrativos. Já 42,7% dos clientes querem aproveitar os descontos para garantir os presentes das festas de final de ano.

 

Os artigos mais procurados serão os eletrônicos (30,1%); eletrodomésticos (21,2%) e roupas, calçados e acessórios (19,9%). Além dos preços mais baixos, as pessoas esperam encontrar mais variedade de marcas e produtos (14,6%), além de facilidade de pagamento (25%).

 

Comércio mais participativo

 

Entre os empresários mineiros, 36,3% já se planejaram para a Black Friday, sendo que 15,1% oferecerão descontos acima de 50%. Já 20,4% reduzirão preços entre 45% e 50%. “O percentual de lojas participantes deverá ser maior, uma vez que, até a realização da pesquisa, um expressivo número de empresas ainda não havia definido as iniciativas para a data”, explica Almeida.

 

As principais ações ocorrerão nos segmentos de outros artigos de uso pessoal e doméstico (62,5%); tecido, vestuário e calçados (58,3%); móveis e eletrodomésticos (56,3%); artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (55,0%) e equipamentos e materiais para escritório, informática e de comunicação (37,5%).

 

A expectativa de 24% dos empresários é de que as ações proporcionem um acréscimo nas vendas em torno dos 25% em relação ao volume rotineiro. Além disso, 5,5% das empresas do comércio varejista pretendem contratar funcionários temporários no período, o que corresponde a 15,1% das empresas que farão ações durante a data.

 

As pesquisas Expectativa para a Black Friday foram realizadas, em outubro, com consumidores da capital mineira e empresários do comércio varejista de Belo Horizonte, Contagem, Betim e Uberlândia, responsáveis pelos quatro maiores Produtos Internos Brutos (PIB) do Estado. Ambas possuem intervalo de confiança de 90% e margem de erro de 5,0 pontos percentuais.

 

Leia a pesquisa Expectativa para a Black Friday – Opinião do Consumidor 2019, na íntegra: http://bit.ly/2oP2S9o

 

Confira, na íntegra, a pesquisa Expectativa para a Black Friday – Opinião do Empresário 2019: http://bit.ly/2JTzdmZ

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Por Marcelo Pereira de Carvalho, fundador e CEO da AgriPoint e realizador do Dairy Vision.

Nas últimas semanas, assistimos a uma profusão de notícias a respeito de investimentos milionários em startups que prometem desde criar hambúrgueres vegetais (o que, a rigor, não é nenhuma novidade, ainda que a tecnologia prometa que a experiência seja cada vez melhor para o consumidor) até nuggets de frango feitos a partir de células em laboratório, como a Just, ou peixe feito também a partir de culturas de células, como é o caso da Finless.  

Voltemos um pouco no tempo. Jorge Paulo Lemann e seus colegas do 3G tornaram-se bilionários ao investir em setores maduros, com poucas mudanças (ao contrário, por exemplo, da área de tecnologia), visando adquirir marcas fortes produzidas por empresas com gaps claros de gestão. Arrumando a casa, a receita de sucesso estava garantida. O resto já estava feito e pouco mudaria para frente.

Esse mundo está se transformando. E rapidamente. Do lado do consumidor, a descrença nas grandes marcas tem favorecido que novas entrantes, com narrativas e posicionamentos mais alinhados ao consumidor mais jovem, ganhem espaço. Uma pesquisa da McKinsey (que palestrará no Dairy Vision 2019, 26 e 27 de novembro, no Expo Dom Pedro – Campinas/SP) mostrou que os millenials (nascidos entre 1980 e 2000) são 2,8 vezes mais propensos a comprar novas marcas e 3,7 vezes mais propensos a evitar as grandes empresas (as chamadas CPGs  ou consumer packed goods).

Assim, investir em grandes marcas e arrumar a casa não é mais garantia de sucesso. Jay Waldvogel, vice-presidente da Dairy Farmers of America, maior cooperativa de captação de leite dos EUA, disse no Dairy Vision 2018 que, para ser grande, hoje é necessário estar presente em diversos pequenos mercados. É a ditadura do nicho, que se contrapõe ao cenário anterior de produtos globais destinados ao mercado de massa.

Mas as mudanças vão além. Até então, uma máxima garantia que nós, produtores, indústrias e prestadores de serviços atuantes na produção de proteínas animais teríamos futuro garantido: “por mais que o mundo mude, as pessoas precisarão comer”. Se a tecnologia que vende música mudar radicalmente, não é problema nosso. Se a indústria do transporte se transformar completamente, idem. O fato é que teremos 9,6 bilhões de pessoas para alimentar em 2050, em um processo de urbanização e aumento da renda média, o que certamente demandará mais proteínas animais.

Que as pessoas precisarão comer, não resta dúvida. Mas os exemplos que abriram esse artigo nos fazem refletir: até que ponto os alimentos de laboratórios (ou vegetais turbinados) roubarão parte do mercado prometido para as proteínas animais convencionais? Estudo do Banco Barclays aponta que as carnes artificiais (vegetais ou animais) terão 10% de mercado até 2030, o equivalente a US$ 140 bilhões/ano. É uma enormidade, mas 90% do mercado ainda serão convencionais.

Mas e se a mudança for mais rápida? Um artigo assustador (e um tanto sensacionalista) publicado no Food Navigator prevê que até 2030 a indústria de lácteos e de carnes dos EUA terá colapsado, na medida em que fábricas de proteína microbiana se desenvolvem. A previsão é do think tank RethinkX, cujos críticos dizem que vive em uma “fantasia vegana.”

Mas as mudanças de qualquer forma ocorrem e não convém ignorá-las. No caso do leite, já há exemplos de produtos de laboratório, além, claro, dos “leites” de amêndoa, coco e afins, que prometem entregar uma experiência compatível com o leite tradicional, sem obviamente envolver a exploração de animais, aí entrando o discurso da ética, meio ambiente e efeitos na saúde.

O exemplo mais evidente hoje é a NotCo, startup chilena investida por Jeff Bezos, da Amazon, que, por meio de um algoritmo matemático apelidado de Giuseppe, pretende combinar moléculas e produzir um similar ao leite. A NotCo, que já está no Brasil e cujo diretor no país participará do Dairy Vision 2019, é, afinal, uma empresa de alimentos ou de informática?

Um dos paradoxos dessa mudança tecnológica é que o concorrente não é mais quem costumava ser. A Tesla, por exemplo, é muito mais uma empresa de software do que de carros, à medida que a proposta de valor gerada pela experiência depende cada vez mais do software.

A mudança tecnológica permite que novas soluções sejam geradas para dores antigas, reinventando setores inteiros, mesmo aqueles aparentemente pouco suscetíveis a mudanças. Vejamos, por exemplo, o segmento de cercas de arames para animais. O que ocorrerá com ele caso as soluções utilizando GPS e sensores nos animais se disseminem, como é o caso da Agersens, de cercas virtuais? Certamente, ao ler esse artigo, você pensará em outros exemplos dessa transformação. Assim, as empresas do setor lácteo devem começar a pensar que seu concorrente não será mais apenas aquelas empresas que se parecem com elas, mas também empresas insurgentes que emergem de áreas como a inteligência artificial.

É bem provável que a mudança não seja tão rápida assim no nosso segmento. É comum a mídia fazer enorme barulho e, no frigir dos ovos (produzidos por galinhas!), o ritmo de mudança é mais lento. Também, há inúmeras oportunidades de diferenciação e crescimento no mercado de proteínas animais convencionais. O mundo atual, afinal, é um mundo cada vez mais de nichos. O natural e o real sempre terão apelo especial.

Ao mesmo tempo em que as chamadas “frankenfoods” crescem, também se desenvolvem os produtos artesanais, tradicionais, feitos localmente. O importante é escolher onde e como competir, ou a concorrência vai decidir por você.

Se você está confuso com tudo isso, se a velocidade de mudança está acima do que você acha que consegue acompanhar, parabéns! Significa que você está começando a entender o contexto. O ponto-chave é se informar e participar de fluxos relevantes de informação.

Marcelo Pereira de Carvalho é fundador e CEO da AgriPoint e realizador do Dairy Vision.

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

 

 Nesta sexta-feira (27/09/2019), serão creditados R$ 5,1 bilhões nas contas de 12,3 milhões de trabalhadores

 

A CAIXA realiza, nesta sexta-feira (27), o crédito em conta do Saque Imediato do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para os trabalhadores nascidos entre maio e agosto. Nesta segunda etapa do calendário, cerca de 12,3 milhões de trabalhadores com conta poupança na CAIXA receberão automaticamente até R$ 500 de cada conta ativa ou inativa do Fundo. O total a ser recebido pelos trabalhadores representa mais de R$ 5,1 bilhões.

 

De acordo com o presidente da CAIXA, Pedro Guimarães, o pagamento do Saque Imediato do FGTS realizado por meio de crédito em conta é uma estratégia do banco para garantir mais comodidade e segurança ao trabalhador. “Estamos iniciando mais uma fase do maior pagamento da história do Brasil. O volume de pagamentos demonstra que a estratégia de atendimento adotada pela CAIXA tem sido bem-sucedida. Desde o início do calendário, já foram injetados na economia mais de R$ 10 bilhões”, destaca o presidente.

 

O crédito ocorrerá automaticamente nas datas previstas no calendário nas contas poupança da CAIXA abertas até 24/07/2019, data de edição da MP 889/2019. O trabalhador também pode optar por receber em outras contas da CAIXA, nos canais: Internet Banking CAIXA, APP FGTS e o site fgts.caixa.gov.br.

 

No caso de não desejar retirar os recursos, o cidadão deve informar ao banco, por meio dos canais divulgados no site fgts.caixa.gov.br, para que os procedimentos necessários sejam tomados e os valores não sacados retornem à conta vinculada ao FGTS.

 

Horário de Atendimento estendido:

Para facilitar o atendimento o referente ao pagamento dos beneficiários do Saque Imediato do FGTS, as agências da CAIXA abrirão em horário estendido na sexta-feira (27). Os trabalhadores poderão solucionar dúvidas, promover acertos de cadastro e emitir senha do Cartão Cidadão. A relação completa das agências com horário ampliado está disponível no site fgts.caixa.gov.br. As aberturas das agências seguem os horários abaixo:

 

 

Agências que

abrem às:

Horário para 27

Sexta-feira

Atendimento ao público

Início

Término

8h

 

2h depois

9h

1h antes

1h depois

10h

2h antes

 

11h

2h antes

(horário local)

 

Pagamentos do FGTS:

O saque de até R$ 500 das contas vinculadas de titularidade do trabalhador, limitado ao valor do saldo das contas, foi estabelecido pela Medida Provisória nº 889/2019 e é realizado conforme exemplos abaixo:

 

O Saque Imediato do FGTS pode resultar em uma liberação de cerca de R$ 28 bilhões para a economia ainda em 2019 e R$ 12 bilhões para 2020. Mais de 96 milhões de trabalhadores têm direito ao saque dos recursos.

 

Números do primeiro calendário:

A CAIXA creditou, em 13/09/2019, 5 bilhões nas contas de 12 milhões de trabalhadores. Essa movimentação representou 12,5% de todo o valor que será liberado até março de 2020.

 

Cronograma de saque:

Quem possui poupança na CAIXA ou quem fez adesão ao recebimento na conta corrente seguirá o cronograma abaixo para receber os valores do FGTS automaticamente.

 

 

Mês de nascimento

Recebem a partir de

Janeiro, fevereiro, março e abril

13/09/2019

Maio, junho, julho e agosto

27/09/2019

Setembro, outubro, novembro e dezembro

09/10/2019

 

 

Quem não possui conta na CAIXA deverá seguir o cronograma abaixo para receber os valores do FGTS:

 

Mês de nascimento

Data de início

Janeiro

18/10/2019

Fevereiro

25/10/2019

Março

08/11/2019

Abril

22/11/2019

Maio

06/12/2019

Junho

18/12/2019

Julho

10/01/2020

Agosto

17/01/2020

Setembro

24/01/2020

Outubro

07/02/2020

Novembro

14/02/2020

 

 

Para quem possui cartão e senha do Cidadão, o saque pode ser feito nos terminais de autoatendimento, independentemente do valor. Os saques de até R$ 100,00 poderão ser realizados em casas lotéricas, mediante apresentação de documento de identidade original com foto e número do CPF. As lotéricas também pagarão valores entre R$ 100 e R$ 500, porém com uso do cartão e senha do Cidadão.

 

Canais exclusivos de informação:

A CAIXA lançou nova versão do APP FGTS, disponível para download nas lojas App Store e Google Play. Com ele, o trabalhador poderá verificar o valor, a data prevista para o saque imediato e os canais de atendimento disponíveis, dentre outras funcionalidades.

 

Além disso, a CAIXA criou um serviço exclusivo no site fgts.caixa.gov.br para facilitar o atendimento ao trabalhador que deseja sacar o FGTS. Na página, o trabalhador pode visualizar o valor a receber, a data do saque e os canais disponíveis.

 

A CAIXA disponibilizou uma central exclusiva para informações sobre o Saque Imediato (0800 724 2019), onde o trabalhador poderá consultar eventuais valores para o saque imediato e informações sobre os canais de atendimento.

 

Rede de atendimento:

A rede CAIXA de atendimento é composta por 4.136 unidades próprias, sendo 3.374 agências e 762 Postos de Atendimento - PA (465 agências prestam atendimento de Penhor, 2 unidades são instaladas em Barco e 8 PA são móveis, instalados em Caminhões). 

 

Os clientes CAIXA contam também com 5.285 pontos de autoatendimento (28.725 equipamentos), 22.874 terminais do Banco 24Horas e 1.610 máquinas da Rede Compartilhada BB x CAIXA. A rede de atendimento possui ainda 21.217 parceiros, sendo 12.985 Unidades Lotéricas e 8.232 correspondentes CAIXA AQUI. Totalizando, a CAIXA possui 55.122 pontos de atendimento à população

 

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Estando presente nos setores que mais cresce no país, o Instituto Gourmet pretende chegar a 100 unidades comercializadas até o final do ano

 

Antes de fundar o Instituto Gourmet, Lucilaine Lima trabalhou informalmente por 7 anos vendendo doces caseiros e devido ao sucesso, resolveu estudar uma forma de repassar seu conhecimento, transformando suas receitas em um negócio de sucesso. “Costumo dizer que idealizei os cursos do Instituto Gourmet com a fórmula “7 anos em 1”, pois tudo que eu errei e aprendi nesse período, pude facilitar para os alunos em cada módulo, com o objetivo de torná-los empreendedores e gestores em potencial”, afirma.

 

Hoje, o Instituto Gourmet é uma das maiores redes de franquias focadas em educação gastronômica, pois oferece um ensino qualificado com técnicas da cozinha clássica e contemporânea, de forma atual e descontraída e está presente nos setores que mais crescem no país: franquias, educação e gastronomia.

 

“Essas áreas estão em constante crescimento devido à sua capacidade de abrir campos de diversas formas. Então, só penso em investir cada vez mais na qualidade e no crescimento do setor”, completa Lucilaine.

 

Começar o próprio negócio pode ser um desafio e mesmo a gastronomia sendo um segmento competitivo, há muitas formas de faturar e empreender no setor. Veja abaixo as dicas da empresária, para ter um negócio de sucesso:

 

- Quando queremos empreender é preciso foco e organização. É importante ter uma meta clara e um prazo para ela. Escreva sua meta e deixe-a visível, para que você se lembre dela sempre.

 

- Com as metas bem traçadas, é importante saber gerir o seu negócio. Ter gestão também é primordial, você deve saber para onde está seguindo, o que deseja, aonde quer chegar, não dá para ser de qualquer jeito. Então, Planejamento e organização são fundamentais.

 

Lucilaine também ressalta a importância de estar apaixonado pelo que se faz.

 

- Coloque muito amor no seu negócio. Esse foi o maior segredo do Instituto, cada aluno sente esse pertencimento, cada colaborador sente como se estivesse "em casa", é nesse ambiente de paixão pelo que fazemos que construímos nossa trajetória.

 

- E por fim, querer montar um negócio, não é o suficiente. É importante analisar todas as possibilidades de mercado, de acordo com seu orçamento, qual a melhor opção para sai ideia de negócio.

 

Segundo dados da ABF – Associação Brasileira de Franchising – no segundo trimestre deste ano, o faturamento do setor de franquias atingiu o número de 43,122 bilhões de reais, um aumento de 5,9% em comparação com o ano anterior.

 

Lucilaine acredita que essa retomada de fôlego, tem relação ao fato de que o brasileiro consegue ver oportunidade diante a crise. “Hoje a busca de capacitação é a chave principal do crescimento para qualquer profissional, por isso acreditamos na importância do Instituto Gourmet. Nosso método é único, pois focamos no aluno empreendedor.”

 

Sobre o Instituto Gourmet

O Instituto Gourmet é a maior rede nacional de franquia especializada em cursos profissionalizantes na área da gastronomia. Criado para quem deseja ingressar no mercado gastronômico e obter formação profissional da área, o Instituto oferece opções de cursos de média ou longa duração, com flexibilidade nos horários e foco na interação do aluno. Criada em 2014, a rede ingressou no franchising em 2017 e já conta com mais de 70 unidades comercializadas em todo país.

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Segundo o IBEVAR, indicadores de 2019 apontam para uma recuperação da economia e do varejo, mesmo que de forma lenta e gradual

O varejo ampliado, que inclui material de construção e automóveis, deve registrar um crescimento de 0,27% em agosto, comparado ao mês anterior, segundo “Projeção de Vendas” do IBEVAR - Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo. Já em relação ao mesmo período de 2018, a previsão é uma alta de 4,41% nas vendas.

O estudo indicou uma previsão de desempenho mais significativo nos segmentos de “artigos pessoais e domésticos” (0,48), “móveis e eletrodomésticos” (0,43) e “artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, perfumaria e cosméticos” (0,43).

De acordo com os executivos do IBEVAR, os indicadores de 2019 apontam para uma recuperação da economia e do varejo, mesmo que de forma lenta e gradual.


Sobre o IBEVAR
O IBEVAR – Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo – é uma instituição sem fins lucrativos, que se propõe a produzir conteúdo no setor de Varejo & Consumo, promover networking entre executivos que atuam nessa área e gerar negócios entre os participantes. O IBEVAR atua em conjunto com o PROVAR/FIA no desenvolvimento dos executivos de varejo. www.ibevar.org.br