Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Por enquanto, a principal preocupação é com o grupo de insetos que ainda está na Argentina e que pode voltar a se mover com a elevação da temperatura.

A nuvem de gafanhotos que está rondando a fronteira do Brasil com a Argentina continua se deslocando lentamente na Província de Corrientes, próximo à cidade argentina de Curuzú Cuatiá, que fica a 130 km do município de Barra do Quaraí e a 160 km de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul.

Segundo as últimas atualizações do Serviço Nacional de Sanidade e Qualidade Agroalimentar da Argentina (Senasa), parte da nuvem está em local de difícil acesso e controle químico. As baixas temperaturas na região ajudaram a conter a movimentação dos gafanhotos.



Enquanto isso, o Ministério da Agricultura brasileiro informou que há uma nova nuvem de gafanhotos se formando no Paraguai. A nuvem está na região do Chaco, no Departamento de Boquerón, a 300 km da Argentina, próxima a uma área de preservação ambiental.

Troca de informações entre países

Para fazer um trabalho de prevenção, os países da América do Sul tentam conversar com frequência sobre a movimentação dos gafanhotos. Nesta quinta, 16, o Ministério da Agricultura promoveu um seminário virtual para tratar do monitoramento e controle do gafanhoto migratório que preocupa produtores e técnicos dos países do Cone Sul.

O objetivo foi promover a troca de experiências e informações  sobre as ações de monitoramento e controle da praga, que vem sendo realizadas na Argentina e as medidas que podem ser aplicadas no Brasil.

 

Foram convidados para o evento o diretor do Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas da Secretaria de Defesa Agropecuária, Carlos Goulart, do coordenador do Programa de Controle de Gafanhotos do Serviço Nacional de Sanidade e Qualidade Agroalimentar da Argentina (Senasa), Hector Medina, do pesquisador da Embrapa Clima Temperado, Dori Nava e do pesquisador da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Jerson Guedes. O chefe da Divisão de Defesa Agropecuária da SFA/R, Jairo Carbonari, foi definido como mediador.

A equipe técnica do Ministério da Agricultura em Brasília informou que se mantém em alerta juntamente com as Superintendências Federais de Agricultura (SFAs) e os Órgãos Estaduais de Defesa Agropecuária nos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina e em permanente contato com o Serviço Nacional de Sanidade e Qualidade Agroalimentar da Argentina (Senasa) para o monitoramento do deslocamento da nuvem de gafanhotos e a preparação de medidas de controle de forma tempestiva, se for necessário.

O chefe da Divisão de Defesa Sanitária Vegetal da secretaria de Agricultura do RS, Ricardo Felicetti,  explica que a preocupação, neste momento, é com a elevação das temperaturas que facilitam o deslocamentos dos gafanhotos que estão na Argentina. “Nós estamos recebendo as informações do Senasa, também trabalhando com eles sob a coordenação do Mapa. As informações que temos  é que a nuvem permanece em Corrientes, apresentando baixa mobilidade. (…) O nosso maior receio é justamente com o aumento da temperatura, pois, aparentemente, uma massa de ar quente está se deslocando para a região, o que viria aumentar a mobilidade da nuvem”, disse.

Caso esse temor se confirme, a equipe brasileira já tem preparado um plano de emergência. “Passa por alguns ajustes, objetivando, inclusive, uma infestação que venha ocorrer no Rio Grande do Sul e que tome proporções consideráveis”, comentou.

 

Para Ricardo, o governo brasileiro não deve descartar a infestação vindo tanto da Argentina, como da nova nuvem, formada no Paraguai. “O trabalho é de prevenção, de preparação com um plano de emergência robusto e toda uma preparação voltada a uma infestação aqui no Rio Grande do Sul e demais estados do país”.





Canal Rural


Outros artigos
Copyright © 2019 Tribuna de Betim - Notícias. Todos os direitos reservados.
Grupo BEZ Tecnologia e Soluções. Betim - MG - Brasil