Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Remisson Aniceto*




Devo partir hoje, 
o mais tardar amanhã. 
E não quero que me vejas hoje, 
para não guardares de mim uma saudade triste, 
uma saudade recente, 
pois agora estou assim, triste, 
por saber que hoje, o mais tardar amanhã, 
não poderei mais te ver. 
Quero que guardes de mim 
uma lembrança feliz de ontem, 
quando rimos, quando brincamos, 
quando meus olhos brilhavam ao te ver, 
quando eu ainda não sabia que ia partir. 
Não quero te ver hoje, 
para que guardes de mim 
apenas o que viste ontem nos meus olhos 
e o que sentiste no meu corpo. 
Quero que fique contigo 
apenas o que levarei de ti comigo: 
alegria, alegria, alegria!



*Remisson Aniceto
, é mineiro de Nova Era, cidade vizinha da Itabira de Drummond, é escritor.

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Remisson Aniceto*


Ó Rosa que no Céu estás plantada, 
Rosa alva dos meus sonhos arrancada. 
Tens a cor da bela nuvem em claro dia, 
Perfumando os céus azuis da Fantasia. 

Ó Rosa santa, das flores mor-rainha, 
Tu perfumaste o jardim da vida minha. 
Triste Flor na primavera colhida 
Por quem de inveja me roubou a fé na vida. 

Etérea Flor, se sem querer foi que partiste, 
Foge do teu anjo guardião nalgum descuido. 
Quem te quer mais que o Céu na Terra existe. 

Que te levassem nada fiz por merecer. 
Vem, Flor nívea, derramar teu santo fluido, 
No jardim que sem teu pólen vai morrer.



*Remisson Aniceto, é mineiro de Nova Era, cidade vizinha da Itabira de Drummond, é escritor.

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
Remisson Aniceto*

Quando você chegar, 
deve encontrar um outro país, 
ser recebido por um povo que diz 
ter orgulho da sua nação. 
Quando você chegar, 
deve encontrar um país diferente, 
confiante na força da sua gente, 
moderno, seguro, sem corrupção. 
Quando você chegar, 
ouvirá histórias de um país encantado, 
de um povo forte, feliz, inspirado, 
que lutou como um bicho acuado 
por trabalho, saúde, casa e educação. 
Quando você chegar, 
menino ou menina, 
ainda haverá vestígios da revolução 
nos jornais, nas revistas, 
nos cartazes escritos à mão, 
das passeatas, dos brados, daquela canção 
cobrando o respeito à sua gente sofrida. 
De um povo que, cansado do seu pesadelo, 
saindo às ruas de forma atrevida, 
fazendo sua guerra sem o uso do aço, 
somente com suas vozes e erguendo os braços, 
libertou-se, por fim, daquela opressão. 
Quando você chegar, 
será (menino ou menina) bem mais feliz 
do que sua mãe, seu pai, seus irmãos, 
que lutaram tanto pra lhe deixar um país 
grandioso, belo, liberto, viril, 
como sempre deveria ter sido o Brasil.

*Remisson Aniceto, é mineiro de Nova Era, cidade vizinha da Itabira de Drummond, é escritor.
Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Remisson Aniceto*

 
Contraídos o risório e o zigomático,
Explode em ti sonora gargalhada.
Do veneno do teu riso tão elástico
Minhas cordas também são contagiadas.
Tudo em ti é motivo de euforia
E até o vento faz-me cócegas passando.
De tudo rimos e na falsa alegria
O teu riso com o meu riso vai rimando.
Com o riso tu me enganas e eu te engano;
Se sorrimos, damos bah! para a tristeza.
Riamos, que o riso encobre o dano.
Devemos rir, pois só o riso nos sobeja.
Serão bobos? vão dizer. Somos insanos!
E talvez rindo, a triste Morte não nos veja.



*Remisson Aniceto, é mineiro de Nova Era, cidade vizinha da Itabira de Drummond, é escritor.

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

 

João Carlos Marchesan*

     

Nós precisamos crescer. Não podemos mais conviver com taxas negativas de  desempenho setorial. Os nossos números divulgados nessa edição indicam um crescimento de 1,7% em julho em relação ao mesmo mês do ano anterior, mas uma queda de 1,6% em relação a junho deste ano. Na prática, isoladamente, sabemos que esses números ainda não são suficientes para indicar uma tendência, mas podem pelo menos sinalizar uma diminuição no ritmo de queda, suficiente para pensarmos que o crescimento poderá vir.

De outro lado, também ficamos otimistas com atendimento do nosso pleito do REPETRO. Foi uma mudança que se julgava quase impossível, uma vez que o governo não julga a mudança como estratégica para o setor de óleo e gás do ponto de vista das operadoras. Essa decisão abre espaço para negociação de outros regimes especiais e nos dão a dimensão precisa que a nossa mobilização começa a surtir efeito em termos dos pleitos que necessitamos.

Gerou otimismo o fato de conseguirmos vencer a batalha da  MP 774 da reoneração da folha de pagamentos, que foi apresentada pelo governo. Embora a equipe do Ministério da Fazenda tenha trabalhado a base parlamentar do governo, a ABIMAQ teve êxito, pois a MP que reonerava as folhas de pagamento de nossas empresas, não prosperou. No entanto, o mesmo texto foi apresentado pelo deputado Rodrigo Maia (base do governo), presidente da Câmara, mas desta vez na forma de PL – Projeto de Lei. Assim, a medida proposta não passa a ter validade de lei como ocorre nas MP's. O PL foi colocado com pedido de urgência constitucional, portanto a Câmara tem 45 dias para votar e depois o Senado tem outros 45 dias, o que nos dá um prazo  para trabalharmos contra a proposta.

Toda essa agenda é resultado de muito empenho e precisamos continuar insistindo junto ao governo e Congresso para a criação de medidas que favoreçam o investimento, mas também que promovam as reformas necessárias para que o nosso setor, a indústria em particular e o país em geral, voltem a crescer, gerar emprego e riqueza.

Para isso, precisamos insistir nas reformas estruturais que possam efetivamente fazer a diferença. Uma delas, a política, precisa acabar com o atual sistema onde temos 35 partidos legalizados e 30 em fase de legalização, enquanto na Câmara Federal temos 28 bancadas com 28 líderes, o que permite o aparecimento das chamadas ‘legendas de aluguel’ com participação no fundo partidário. Teríamos que ter partidos mais bem definidos ideológica e programaticamente.

Precisamos ainda da reforma tributária, que se constitui na reforma mais importante para o setor de máquinas, para simplificar o atual sistema tributário e desonerar a produção. Enquanto em outros países existe apenas um grande tributo sobre o consumo (um IVA ou um IVV) no Brasil temos 27 ICMS, pois cada Estado tem o seu e ainda mais todos os tributos federais, como o IPI, o PIS, a Cofins, a Cide, o ISQN... recaindo sobre o consumo .O atual sistema encarece a produção diminuindo a competitividade das nossas empresas e facilita a sonegação e a informalidade. A escrituração fiscal das nossas empresas custa muito pela irracionalidade do sistema tributário e esse é outro grande entrave ao nosso crescimento.

Essa é a reforma que precisamos. Junto com a reforma tributária, teremos que discutir ainda um novo pacto federativo, definindo mais claramente as competências, as atribuições de cada ente federativo (União, Estados e Municípios) e o que vai financiar estas atribuições, definindo quem é responsável pelo que.

Sabemos da necessidade de perseguir essas reformas e a defesa dos nossos pleitos, principalmente para seguir com foco no crescimento.

*João Marchesan é presidente do Conselho de Administração da ABIMAQ (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos).