Jucemg e Sebrae realizam a revisão dos processos de registro e legalização para simplificar procedimentos

e reduzir os prazos de abertura de empresas nas cidades que aderem ao programa

 estado leva sala mineira do empreendedor a quase 200 municipios e contribui para melhorar o ambiente de negocios em minas gerais

A um empreendedor o que não pode estar comprometido é o tempo! E tempo é o que está diretamente relacionado aos resultados da implementação da Sala Mineira do Empreendedor, fruto da parceria entre o Governo de Minas Gerais, por meio da Junta Comercial do Estado de Minas Gerais (Jucemg), Sebrae Minas e prefeituras.

O serviço já foi implantado em 191 municípios mineiros, contribuindo para garantir a desburocratização na abertura de empresas no estado.

A Sala Mineira do Empreendedor tem o objetivo de melhorar e simplificar o ambiente de negócios em todo o estado, além de facilitar o surgimento de novas empresas, aumentar a competitividade e promover o desenvolvimento sustentável dos empreendimentos mineiros. A unidade mais recente foi inaugurada em Contagem, no Território Metropolitano, no último dia 28 de março, e terá seu funcionamento entre 9h e 16h30.

Com equipe composta de 12 profissionais disponibilizados pelo município (dois atendentes, dois analistas de processos e um fiscal responsável pela resposta quanto à viabilidade de exercício no local desejado, além de outros sete responsáveis pela liberação de alvará e inscrição municipal), a Sala Mineira de Contagem está instalada na Rua Haeckel Bem-Hur Salvador 180, bairro Cinco.

“Com a inauguração da Sala em um município, um só lugar passa a ser referência ao empreendedor local. Ali, o empresário tem acesso a informações, orientações, capacitações e serviços relacionados ao registro empresarial, gestão de pequenos negócios e empreendedorismo”, enfatiza o coordenador estadual da Sala Mineira do Empreendedor pela Jucemg, Gabriel Tavares.

Até o momento, 191 municípios já aderiram à Sala Mineira, dos quais 51 já realizaram a inauguração. É importante informar que os outros 140 municípios estão em fase final de implantação do projeto.

Assim, nas cidades que contam com o serviço, o empreendedor formaliza seu negócio em todos os níveis, de maneira simplificada e desburocratizada, além de ter acesso a serviços para melhorar, ampliar e desenvolver habilidades para gerir a empresa.

A primeira Sala Mineira do Empreendedor foi inaugurada em Nova Serrana, Território Oeste, em junho de 2017. Logo no primeiro mês de funcionamento foram registrados 1.300 atendimentos, e, até dezembro do ano passado, mais de 3 mil pessoas passaram pelo espaço.

“Essa parceria de sucesso estabelece, de forma integrada, processos de abertura, formalização e operação de empresas, superando os entraves que limitam e atrasam o desenvolvimento local”, explica o subsecretário de Indústria e Comércio de Nova Serrana, Marco Aurélio de Lacerda.

sala1

Ainda de acordo com o subsecretário, o município, ao implantar a Sala Mineira do Empreendedor, passa a integrar a Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios no Brasil (Redesimples), por meio do serviço Minas Fácil Digital.

Executado pela Jucemg, o serviço facilita e agiliza a inscrição, alteração e baixa de empresas por meio da integração de todas as entidades e órgãos que participam direta e indiretamente do registro e legalização de empresas: órgãos de registro (Jucemg, cartórios, OAB), Secretaria de Estado da Fazenda, Receita Federal, órgãos de licenciamento estaduais e municipais e prefeituras.

"A implantação da Sala segue a diretriz do Governo do Estado, no sentido de melhorar o ambiente de negócios em Minas Gerais, com a simplificação, agilizando e desburocratizando a abertura, alteração e baixa de empresas, o que contribui para o desenvolvimento econômico e social dos municípios mineiros”, reforça o presidente da Jucemg, José Donaldo Bittencourt Júnior.

A Jucemg esteve presente em todas as rodadas dos Fóruns Regionais de Governo e, nestes encontros, apresentou aos municípios a Sala Mineira do Empreendedor e os demais serviços disponibilizados, tais como o Minas Fácil Digital e a Jucemg Digital.

Em Juatuba

Com pouco mais de 22 mil habitantes, o município de Juatuba, no Território Metropolitano, é outro que comemora o sucesso absoluto da Sala Mineira do Empreendedor. Inaugurada em fevereiro de 2018, a Sala atende a uma média de 10 pessoas por dia, com maior percentual entre os microempreendedores individuais que buscam a formalização.

Juatuba tem mais de 1.100 microempreendedores individuais e cerca de 750 empresas ativas. Com cerca de dois meses de funcionamento, a Sala já contribuiu para a abertura de mais 20 empresas no município e tem apostado na capacitação e na parceria com a comunidade.

“Já oferecemos momentos de capacitação, em parceria com o Sebrae Minas, e, já nos programamos para ofertar o primeiro curso com voluntário da cidade”, diz a agente de Desenvolvimento do município e atendente da Sala Mineira, Valquíria Jaqueline Diniz.

Ela acrescenta que um morador da cidade, professor universitário, irá ministrar para microempreendedores individuais o curso sobre conceitos básicos de Matemática para cálculos de materiais na construção civil.

Essa iniciativa terá duração de dois meses e se une à preocupação da unidade em oportunizar parcerias locais. Como exemplo, a Sala Mineira intermediou o diálogo entre duas empreendedoras da cidade. A primeira produz bonecas e precisava de um laço específico. Já a segunda confeccionava os laços e precisava comercializá-los. Ambas passaram pelo processo de formalização na unidade.

“Uma e outra nos procuraram, sabendo que o trabalho de uma complementava o trabalho da outra. Sugerimos o diálogo entre”, conta Valquíria.

100% Digital

Com ações que beneficiam municípios e empreendedores, as Salas Mineiras, por meio da Jucemg e do Sebrae Minas, realizam a revisão dos processos de registro e legalização para otimizar o fluxo interno e reduzir os prazos de abertura de empresas nas cidades que aderem ao programa.

Enquanto Minas Gerais levava, em média, 16 dias para efetivar todo o processo de abertura de uma empresa, a média nacional contabilizava 100 dias para a formalização de um negócio, conforme dados do Banco Mundial. Agora, o estado caminha para que a abertura de uma empresa aconteça num espaço de tempo ainda menor, em média, em sete dias.

“O Registro Empresarial passa a ser realizado 100% pela internet, com agilidade, segurança jurídica e confiabilidade, o que garante maior acessibilidade do empresário aos serviços da Jucemg. A abertura da empresa acontece com rapidez, comodidade e segurança”, garante Gabriel Tavares.

Em Nova Serrana, o redesenho dos processos de abertura de empresas no município foi o maior ganho. “De forma célere, saltamos da 101ª para a 4ª posição no ranking estadual de otimização do tempo para a abertura e formalização de negócios. Antes, levava-se 13 dias, agora, em média, 5 dias”, conta o subsecretário Marco Lacerda.

Segundo Lacerda, são atendidos, todos os meses, entre 400 e 450 empreendedores em busca dos serviços da Sala, dado muito relevante frente à realidade do município.

Com agilidade na abertura do negócio, o empreendedor pode otimizar seu tempo e ter a oportunidade de receber informação e participar de capacitações.

A Sala Mineira, entre outros assuntos, explica os processos de compras públicas e os passos para que o empreendedor possa ser um fornecedor para órgãos públicos como as administrações municipais e estadual.

"O empreendedor está se transformando, cada vez mais, em elemento central do desenvolvimento econômico das cidades. Estimula-lo e criar condições para que a vida dele seja mais fácil é fundamental. Essa é a grande missão das Salas Mineiras do Empreendedor, tornar o mundo dele mais amigável, simplificado e rico de oportunidades”, ressalta o diretor técnico do Sebrae Minas, Anderson Costa Cabido.

Atendimentos oferecidos na Sala Mineira do Empreendedor

Orientações e informações

- Processo de registro (CNPJ, Inscrição Estadual e Inscrição Municipal);

- Processo de licenciamento municipal (Vigilância Sanitária, Corpo de Bombeiros e Meio Ambiente);

- Cadastramento como fornecedor da prefeitura;

- Participação nos processos de compras públicas municipais;

- Mapa de oportunidades para o empreendedor.

Serviços

- Consulta de viabilidade;

- Protocolo do licenciamento municipal de MEI, ME, EPP e demais empresas;

- Emissão das guias de recolhimentos das taxas municipais para processo de formalização, alteração e baixa; 

- Formalização e emissão do Certificado da Condição de Microempreendedor Individual (Comei);

- Elaboração e envio da Declaração Anual do Simples Nacional - DASN SIMEI; 

- Entrega do CNPJ, Inscrição Estadual, Inscrição Municipal, Alvará de Localização e Funcionamento e demais documentos de licenciamento.

Cidades com a Sala do Empreendedor em funcionamento:

Almenara, Araçuaí, Barroso, Boa Esperança, Bueno Brandão, Capelinha, Cataguases, Conceição da Barra de Minas, Contagem, Coração de Jesus, Divinópolis, Espera Feliz, Espinosa, Frutal, Governador Valadares, Itabira, Itacarambi, Itambacuri, Iturama, Jaíba, Japonvar, Jequitinhonha, José Raydan, Juatuba, Lagoa da Prata, Machacalis, Malacacheta, Manhumirim, Mantena, Mato Verde, Mirabela, Montes Claros, Muriaé, Muzambinho, Nova Serrana, Pai Pedro, Pará de Minas, Passos, Pedra Azul, Pedras de Maria da Cruz, Pompéu, Pontos dos Volantes, Santa Vitória, São Francisco, Serranópolis de Minas, Teófilo Otoni, Tiradentes, Varzelândia e Verdelândia.

sala2


 

 

Curso é dividido em dez módulos e vai até 21 de junho

O franchising, setor resiliente, mostra-se como uma alternativa para quem quer ter o próprio negócio e mesmo diante da instabilidade econômica, é um dos setores que mais crescem e geram empregos no País. Atuando em prol do desenvolvimento do sistema, a Associação Brasileira de Franchising Seccional Rio de Janeiro (ABF Rio) promove, a partir do dia 19 de abril, o Programa de Capacitação em Franchising (PCF) para os interessados em investir, obter um conhecimento profundo e se capacitar profissionalmente em franchising.

De acordo com a presidente da ABF Rio, Eliane Bernardino, o objetivo do curso é capacitar os participantes a atuarem no sistema, que tem muitas especificidades. O programa é voltado tanto para potenciais franqueadores quanto para executivos querem atuar em empresas franqueadoras, ou aumentar a sua qualificação ou empregabilidade. “O curso é dinâmico, uma grande oportunidade para se aprofundar e se integrar aos assuntos relacionados ao Franchising. Os participantes recebem capacitação nos principais pontos estratégicos para o sucesso do negócio”, destaca.

Realizado na sede da ABF Rio, no Centro, o curso é dividido em 10 módulos de 8 horas/aula, que podem ser feitos por completo ou avulsos. O primeiro módulo se inicia no dia 19/04 e as aulas serão ministradas até o próximo dia 21/06. Os interessados podem se informar pelo e-mail:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.ou pelo telefone (21) 2504-7573. Para se inscrever acesse o link: https://bit.ly/2H3hEhr

Confira os temas dos módulos:

1. Avaliação de Franqueabilidade - Mercadológica
2. Análise de Franqueabilidade - Financeira
3. Plano de Expansão
4. Venda de Franquia
5. Suporte Operacional
6. Manuais e Programa de Treinamento
7. Analisando os Aspectos Jurídicos
8. Administrando o Relacionamento com a Rede
9. Praticando Conhecimentos em Franchising
10. Visita Técnica a uma Franqueadora (em data a ser marcada no mês de julho)

LOCAL: Centro de Treinamento ABF Rio: Rua Treze de maio, 23, grupo 401. Centro
HORÀRIO: 9h às 18h

Investimento:

Associados da ABF:
Valor total: R$ 2.400,00
Valor por módulo (1 ao 9): R$ 285,00
Módulo 10: R$480,00

Não associados da ABF:
Valor total: R$ 3.350,00
Valor por módulo (1 ao 9): R$ 385,00
Módulo 10: R$650,00

Estudantes
Valor total: R$2.720,00
Valor por módulo (1 ao 9): R$ 315,00
Módulo 10: R$530,00

Mais informações: www.abfrj.com.br

Redes sociais:
Facebook: facebook.com/ABFSeccionalRio/
Twitter: twitter.com/ABFRio
Instagram: abf.seccional.rio
Linkedin: linkedin.com/abf-rio

Atingindo um expressivo crescimento em 2017, a Farmarcas estabeleceu metas ainda mais ambiciosas para 2018, buscando se tornar 4º maior grupo econômico do varejo farmacêutico nacional, com faturamento acima R$ 2 bilhões para o período. Outra meta para ser atingida será a de mil lojas em 2019.

"Estamos cada vez mais preparados para o crescimento, sendo que todo nosso planejamento está alinhado com nossa missão que é potencializar a gestão estratégica de redes associativistas e/ou agrupamentos farmacêuticos administradas por nós. Por isso preparamos uma grande quantidade de ações para o próximo ano, que são bastante arrojadas ", explica o presidente da Farmarcas, Edison Tamascia.

Resultados de 2017

A comprovação de que essas metas são viáveis são os números referentes à 2017, que finalizou o ano com 715 lojas em todo o país. O dado é impressionante sendo que apenas neste período foram abertas 181 lojas, um crescimento de 34%.

Os números ficam ainda mais positivos se for considerado o crescimento do faturamento, que foi de 56,68% para o ano, em comparação com 2016. Nos doze meses do ano passado o faturamento foi de R$ 1,446 bilhão, em 2016 esse valor ficou em R$ 923 milhões.

 

O evento trará a síntese da maior convenção do franchising mundial, realizada nos Estados Unidos em fevereiro

A Associação Brasileira de Franchising Seccional Rio de Janeiro (ABF Rio) irá realizar, no próximo dia 14 de março, a palestra sobre a Convenção da International Franchise Association (IFA, associação de franquias dos Estados Unidos), principal evento do franchising no cenário mundial. A Convenção aconteceu na cidade de Phoenix, capital do estado do Arizona (EUA), entre os dias 11 e 14 de fevereiro deste ano.

A 58ª Convenção da IFA reuniu conteúdos especialmente desenvolvidos para a indústria do franchising, destacando questões de internacionalização, jurídicas, marketing, expansão, operações e relacionamento com a rede.

O Pós-IFA ABF Rio 2018, que será realizado no Windsor Florida Hotel, no Flamengo, a partir das 9h, terá a abertura da presidente da ABF Rio Eliane Bernardino, palestras do vice-presidente Luiz Felipe Costa (franqueador das marcas Billy The Grill e Vizinhando, do Grupo Alento) e o diretor jurídico Gabriel Di Blasi (sócio do escritório de advocacia Di Blasi & Parente), que foram curadores do evento pela ABF Rio. O evento também terá a palestra do convidado Paulo Mendonça, consultor em franchising da Ponto de Referência, e da advogada Melitha Novoa Prado, que participará do painel jurídico.Os especialistas farão uma síntese das discussões mais importantes da Convenção, abordando o cenário do franchising norte-americano e os aprendizados que tenham maior aplicabilidade e possível impacto no mercado brasileiro, al ém da síntese das visitas técnicas realizadas pela delegação da ABF.

Para a presidente da ABF Rio, Eliane Bernardino, a participação no evento dos franqueadores, franqueados e interessados no sistema promoverá uma reflexão sobre as práticas que merecem maior atenção e energia das empresas franqueadoras que operam no Brasil. “O franchising norte-americano é muito maduro, profissional e competitivo, e as práticas das empresas gigantescas daquele mercado certamente têm particularidades e inovações que devem ser acompanhadas pelo franqueador brasileiro que busca informações e referências que o ajudem em seu trabalho de transformação e melhoria de relacionamento e resultados na própria rede”, destaca a executiva.

Os interessados devem entrar em contato com a ABF Rio pelo telefone (21) 2504-7573 ou pelo e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Serviço:
Palestra Pós-IFA ABF Rio 2018
Data: 14/03/2018
Local: Windsor Florida Hotel – R. Ferreira Viana, 81, Flamengo
Horário: 9h às 13h
Investimento: Gratuito para associados ABF e R$90,00 para não associados

Palestrantes:

Luiz Felipe Costa - Engenheiro eletricista (Cefet/RJ), com pós-graduação em Franchising pela ESPM-Rio, e sócio-diretor do Grupo Alento Franchising, responsável pelas redes de franquias Billy The Grill, Vizinhando e Naa! Sushi Bar. Além de atuar no desenvolvimento dessas marcas e no relacionamento com os franqueados, é vice-presidente da ABF Rio. Também atuou na Ambev e na Brasil PCH.

Gabriel Di Blasi – Advogado, engenheiro industrial e agente da propriedade industrial. É diretor jurídico da ABF Rio, membro da Comissão de Biotecnologia (BIOBRASIL), da Federação Nacional das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) e da Federação Internacional de Advogados de Propriedade Intelectual (FICPI), além de conselheiro do Instituto de Relações Governamentais (Irelgov).

Paulo Mendonça - Administrador de empresas (UFF), com MBA na Maharishi University of Management, USA. É professor de franchising da pós-graduação do IAG PUC RJ, especialista em atendimento, operações, processos e franquias na Ponto de Referência e foi diretor adjunto de Capacitação em Franchising da ABF Rio. Atuou também em diversas empresas de varejo e serviços.

Alguns grandes empresários brasileiros atuais iniciaram as suas fortunas de modo prático, muito simples, porém ininterruptamente perseguiram as suas paixões de adolescentes de acordo com as oportunidades que se mostraram a cada momento. O primeiro deles, vendendo doces que a mãe fazia de porta em porta. O segundo, entregando marmitas aos funcionários de empresas construtoras da sua cidade natal e, o terceiro, viajando com pesadas malas repletas de sapatos para comercializar pelo interior do Rio Grande do Sul. A observação é da escritora, palestrante e pesquisadora do gênero feminino Alice Schuch. “Também uma amiga, empresária do ramo da moda, assim como Coco Chanel, iniciou a sua atividade vendendo produtos confeccionados por ela e hoje tornou-se referência na arte do bem vestir”, completa. Pautada nessas evidências, os exemplos demonstram o valor da ambição, em um período em que a pesquisadora batiza de Neofeminino. Porque afinal, cita ela, “a vida é práxis e quer viver!”. 

Alice Schuch escritoria palestrante doutora e pesquisadora do universo feminino

Alice lembra que para Aristóteles (384 a C.), não havia ciência em si como uma teoria avulsa, pois a vida é práxis. “Segundo o filósofo, estudamos a ética a fim de melhorar nossas vidas, seu interesse principal era a natureza do bem-estar humano. Pontua ainda que o que precisamos, a fim de viver bem é a sabedoria prática que não pode ser adquirida apenas ao aprender regras gerais, mas precisa também ser vivenciada de modo experimental”, explica.

“E quanto a nós?”, indaga a pesquisadora. Substancialmente considera-se que a pessoa boa e virtuosa é aquela que alia inteligência e vontade, isto é, trabalha para ampliar sua identidade pessoal: sabe aquilo que almeja, agrada-lhe aquela ação, realiza e então distribui a felicidade que de fato possui.

Ela sugere: “experimente-se, busque a independência econômica, sem a qual não temos barganha, pois como já dizia Wiston Churchil: você não pode negociar com um tigre quando a sua cabeça está na boca dele. Sejamos ambiciosas! Conforme lê-se na obra Psicologia do Líder de Antonio Meneghetti, se não existe a ambição, a inteligência é inútil.