Unicred inaugura nova agência em Caxambu

Em outubro, a Unicred Aliança inaugurou sua nova agência na cidade de Caxambu. A cooperativa, que já funciona na cidade desde 1994, agora possui um novo endereço, visando o melhor atendimento a seus cooperados.

O Sistema Unicred é o maior sistema cooperativista de crédito do Brasil, no que diz respeito a área da saúde, contando com 393 pontos de atendimento e mais de 166 mil cooperados.

A Unicred Aliança é uma cooperativa diferenciada, é Premium, e sempre busca fornecer o melhor para seus associados, menores tarifas, taxas de juros reduzidas para financiamentos, conforto e tranquilidade em seus estabelecimentos e principalmente um atendimento personalizado.

Segundo a gerente da agência de Caxambu, Karina Spinelli, a mudança para o novo endereço tem o objetivo de atender com mais conforto, privacidade e segurança os cooperados, proporcionando um serviço e atendimento ainda mais personalizado. “Neste novo espaço, o cooperado vai encontrar um ambiente moderno, aconchegante, seguro e privativo”, afirma Spinelli.

Ainda de acordo com a gerente, como a cooperativa é uma instituição financeira Premium, o novo espaço se faz necessário para que seja possível manter a excelência no atendimento. “Para mim, como gerente de agência e colaboradora desta instituição há 16 anos, vejo nesta nova estrutura uma imensa oportunidade de mostrar à nossa cidade todo o nosso potencial como instituição financeira, buscando cooperados que prezem por um atendimento altamente personalizado e atendendo cada vez mais as expectativas daqueles cooperados que já estão conosco participando desta conquista”, finaliza Karina. 

 

25 anos de história

A Unicred Aliança começou sua atuação em Uberlândia em 1993, com a criação da Unicred Uberlândia. Vindo a se tornar Unicred Aliança alguns anos depois, com a expansão para outras cidades do Estado de Minas e abertura da agência de Catalão GO. 

 

Serviço

A nova agência da Unicred Aliança fica na Rua Conselheiro Mayrink, 381 - loja C – Caxambu, com o mesmo horário de funcionamento, das 10h às 15h.

Produtos halal movimentam US$ 45,3 bilhões de dólares

São Bernardo do Campo, de julho de 2018 - Hoje em dia, as pessoas se preocupam muito com o bem-estar animal, consumo por produtos com fórmulas naturais e menos industrializados. Os produtos halal - desenvolvidos de acordo com as leis islâmicas – são considerados confiáveis e com garantia de alta qualidade, porque não contém álcool e nem matérias-primas derivadas de alguns animais como suínos.

Os produtos halal (significa “permitido” para o consumo) utilizam matérias-primas 100% seguras, insumos e subsidiárias de processo, ou seja, são totalmente legais. Não afetam a saúde humana, que possuem um método de fabricação transparente e uma conduta comercial adequada e justa, em que aplicam boas práticas de fabricação em seus processos. Além de alimentos e bebidas (não alcóolicas), os produtos halal foram concebidos para encontrar aplicações em vários setores.

Segundo a TechNavio, empresa especializadas em análises setoriais, o segmento de cosméticos movimentou U$ 20 bilhões em 2014 e esse valor deve dobrar até 2019. Os fabricantes desse tipo de cosmético recebem a certificação HAS 23.000, que atestam a ausência dos ingredientes proibidos e a obtenção ética de insumos cárneos de caprinos, aves, bovinos e ovinos.

Em 2016, de acordo com o PEW Research Center, o valor de mercado global dos produtos halal totalizou aproximadamente US$ 45,3 bilhões de dólares e deverá aumentar em aproximadamente 29% até 2020.

Leia mais: Produtos halal movimentam US$ 45,3 bilhões de dólares

Fintech de crédito empresta R$15 milhões de reais a pessoas físicas somente em maio

 
Lendico, plataforma de crédito pessoal online, emprestou 15% mais em maio do que em abril. Empresa recebe em média 160 mil pedidos por mês.
 
Lendico, fintech de crédito pessoal, bateu mais um recorde de empréstimos. No mês de maio a empresa emprestou mais de R$ 15 milhões em crédito para Pessoa Física. O montante é 15% superior ao mês de abril.
 
Mensalmente a empresa recebe, em média, 160 mil pedidos de empréstimo por meio de seu site. Em maio os principais motivos de pedidos de crédito foram para pagar dívida (27%), novos negócios (15,51%) e investir no negócio já existente (11,54%).
 
Principais motivos em alta
Ainda que o pagamento de dívidas siga sendo o principal motivo de pedidos de empréstimos online, há outras razões que têm mostrado alta quando o consumidor busca pelo crédito pessoal. Em relação a maio do ano passado, houve uma alta de 143% no número de pedidos de empréstimo para gastos com eletrônicos e eletrodomésticos.
 
Em segundo lugar entre os motivos de empréstimo que mais cresceram estão os novos negócios. Houve alta de 86% no número de pedidos de crédito pessoal com esta motivação. Férias e Viagens ficaram em terceiro lugar em crescimento, com aumento de 78% no número de pedidos.
 
Brasileiro empreendendo mais
Se em maio de 2017 os novos negócios representam apenas 9,27% dos motivos de pedidos de empréstimo pessoal na Lendico, em maio deste ano este motivo já representa 15,51% dos pedidos. Já o investimento no próprio negócio cresceu de 8,85% para 11,54%.
 
Queda na busca por crédito para aquisição de veículos
Em maio de 2017, a busca por crédito para aquisição de veículos representava 11,29% dos pedidos. No mesmo mês em 2018, este motivo representou apenas 6,81% dos pedidos feitos no site da Lendico. Em números absolutos, houve uma queda de 33% nos pedidos para a compra de veículos.
 
Ocupação
Os empregados com carteira assinada são os profissionais que mais buscam empréstimo pessoal online (42,61%). Eles são seguidos pelos autônomos, que foram os responsáveis por 29% dos pedidos em maio deste ano.
 
Observa-se, contudo, um aumento no número de rentistas, empregados domésticos, donas de casa e empregadores buscando crédito online. A alta foi de 76% 63%, 58% e 50%, respectivamente.
 

O cliente pediu, o Makro ouviu! Atacadista cria área exclusiva para ouvir às necessidades do cliente

O Makro Atacadista, um dos principais players do setor, está sempre atento para entender e ajudar nas necessidades e desafios que seus consumidores enfrentam quando o assunto é economizar nas compras, sejam eles clientes profissionais, empreendedores ou famílias.

Por isso, o Makro desenvolveu uma área voltada para ouvir o cliente. Um dos objetivos da área é que o Makro possa acompanhar mais de perto os pedidos e sugestões dos consumidores e a partir de então realizar ativações que tragam mais comodidade, conveniência e versatilidade para o atendimento.

Entre as iniciativas já solicitadas pelos clientes e atendidas pela marca, estão algumas facilidades nas formas de pagamento no atacadista. Desde abril, o Makro passou a aceitar todas as bandeiras de cartão de crédito e não apenas o cartão próprio. Além disso, para realizar qualquer volume de compra o cliente não precisa realizar cadastro ou possuir CNPJ. Mas quem desejar realizar o cadastro do Makro poderá ter acesso a benefícios e promoções exclusivas.

Além dessas iniciativas, há dois anos o Makro iniciou uma nova forma de atender ao seu cliente profissional com o Makro Food Service, que é voltado ao serviço de entrega. O serviço visa descomplicar a vida do dono do restaurante, entregando suas compras com toda a qualidade e certificação de origem. Agora a previsão é ampliar a operação tanto em volume quanto em capilaridade.

Essas são algumas ações que o Makro está implantando para incrementar ainda mais o dia a dia das operações. Para conhecer mais, acesse o site ou as redes sociais do atacadista:

www.makro.com.br

https://www.makro.com.br

www.facebook.com/makro.atacadista

Instagram @makrobrasil

Sobre o Makro

No Brasil desde 1972, o Makro é uma empresa do grupo holandês SHV para (Steenkolen Handels-Vereeniging), que opera em cinco países da América do Sul: Argentina, Brasil, Colômbia, Peru e Venezuela. A partir dos anos 90, investiu na expansão de lojas em todo o Brasil, especialmente nas regiões Sul e Nordeste.

Hoje com 74 lojas amplas e estrategicamente localizadas nos país, busca atender a todos os nossos clientes, pessoas físicas e profissionais, oferecendo uma vasta gama de produtos, contemplando alimentos perecíveis, não perecíveis, bebidas, produtos de higiene e limpeza, descartáveis, utensílios, materiais de escritórios, pet, entre outros. Todos eles com os melhores preços do mercado.

#FazerAcontecer

#MakroSeuMelhorParceiro

Prévia do PIB encolhe 0,74% em março, aponta BC

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central é uma espécie de sinalizador do Produto Interno Bruto

 

A economia brasileira encolheu mais que o esperado em março, fechando o primeiro trimestre com contração de 0,13 por cento e corroborando a fraqueza da atividade neste início de ano em meio ao mercado de trabalho debilitado e ao cenário político que afetam a confiança.

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), espécie de sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB) divulgado nesta quarta-feira, recuou 0,74 por cento em março na comparação com fevereiro, segundo dado dessazonalizado.

O resultado foi bem pior do que a expectativa em pesquisa da Reuters com analistas, de queda de 0,10 por cento, e o cenário mostra ainda mais fraqueza após a revisão pelo BC do dado mensal de fevereiro pelo BC para recuo de 0,10 por cento, após divulgar expansão de 0,09 por cento.

Com isso, o indicador que incorpora projeções para a produção nos setores de serviços, indústria e agropecuária, bem como o impacto dos impostos sobre os produtos, interrompe série de quatro trimestres de expansão.

Em março, a produção industrial encolheu 0,1 por cento e terminou o primeiro trimestre estagnada, enquanto o setor de serviços apresentou nos três primeiros meses do ano contração de 0,9 por cento. Somente o varejo terminou o período com ganhos, de 0,7 por cento, mas ainda indicando oscilações.

Enquanto a inflação e os juros permanecem baixos, o desemprego ainda elevado contém o consumo e impede melhora econômica mais robusta num ano de eleição presidencial envolta por indefinições.

Esses cenários vêm afetando a confiança de forma generalizada no país, inclusive já neste segundo trimestre, movimento que levou analistas consultados pela Reuters a alertarem para novo possível período de fraqueza da atividade.

Economistas consultados na pesquisa Focus do BC vêm reduzindo a expectativa de crescimento do PIB este ano, agora a 2,51 por cento, sendo que no início do ano, estava em torno de 3 por cento.

Os dados oficiais do IBGE sobre o desempenho do PIB no trimestre passado serão divulgados em 30 de maio.



Exame