Imprimir
Categoria: Destaque
Acessos: 1601
Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

João Benatti, da Trouw Nutrition, alerta pecuaristas sobre a importância da recuperação do baixo escore corporal das vacas no outono para o sucesso reprodutivo na estação de monta.

"Um erro agora pode comprometer o futuro da fazenda. Não há mais espaço para o pecuarista pensar na reprodução somente nas semanas que antecedem a estação de monta. É essencial que o correto manejo das vacas seja feito durante o ano todo". A afirmação é de João Benatti, Gerente de Produtos para Ruminantes da Trouw Nutrition.

trouw_Nutrition.jpg



O especialista destaca que, para saber se o animal está em boas condições, é importante avaliar o Escore de Condição Corporal (ECC). Trata-se de medida determinante para o sucesso da cria, pois classifica os bovinos por meio de avaliação visual.

Benatti destaca a importância de o produtor olhar com atenção para os animais em todos os estágios da vida, com o intuito de não comprometer o resultado e o futuro da fazenda. Vacas que parem magras não emprenham, ou seja, o ECC no parto é determinante para a prenhez. "Por isso, sempre alertamos que o olhar atento a esse fator deve fazer parte da rotina: não dá para pensar no resultado somente lá na frente. A estação reprodutiva deve começar a ser preparada desde já, na desmama do bezerro. O animal precisa passar a seca sem perder peso para parir com bom escore corporal".

O especialista da Trouw Nutrition explica que no desmame as exigências nutricionais da vaca diminuem. Logo, há mais chances dela recuperar o ECC – caso esteja baixo. Ele sugere que o animal pode ser separado a fim de fornecer nutrientes adicionais para outras vacas magras e jovens. "Esse é o melhor momento e o mais barato para recuperar o ECC"

"A sazonalidade precisa ser levada em consideração, já que estamos no outono e a qualidade do pasto já começou a cair juntamente com os níveis de proteína. Como corrigir esse cenário? Aqui entra a suplementação com proteico e proteico-energético, desenvolvidos para atender às necessidades específicas das vacas em reprodução", aconselha Benatti.

O gerente complementa que a alta taxa de prenhez não é conquistada de uma hora para outra, mas é construída por meio de seguidas análises, manejo e ajustes na dieta. "O trabalho é diário, mas o resultado vem na forma de mais prenhezes e bezerros com alto ganho de peso. Portanto, a avaliação rotineira por meio do ECC é o sistema de manejo nutricional que fornece informações para o pecuarista gerenciar o rebanho de matrizes. Agora é o momento em que todos os esforços devem estar voltados a esses animais, construindo o caminho para a alta produção de bezerros e retorno econômico para a fazenda", finaliza João Benatti.