Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

 

Especialista explica as principais questões sobre a prática

A menopausa caracteriza-se pelo fim da fase reprodutiva da mulher que acontece entre 45 e 55 anos. Dentre os sintomas, podemos destacar ondas de calor, suores noturnos, menstruação irregular, ansiedade ou depressão, fatores decorrentes da queda dos hormônios produzidos em doses adequadas pelos ovários no organismo. “Neste cenário, a terapia hormonal possibilita uma melhora dos sintomas. A escolha do método hormonal, dose e via de administração depende da necessidade e indicação para cada caso”, explica Renato de Oliveira, ginecologista responsável pela área de reprodução humana da Criogênesis. 

Apesar da relevância do tema, existem ainda muitas dúvidas e receios em relação a reposição hormonal. Abaixo, o especialista desvenda os principais mitos e verdades sobre o tema.       

 

Todas as mulheres podem fazer reposição hormonal  

Mito. Antes de iniciar o tratamento é fundamental consultar um especialista para diagnosticar doenças e possíveis complicações relacionadas à reposição hormonal. “Pacientes com câncer ou lesão suspeita na mama, acidente vascular cerebral (derrame), trombose, hipertensão arterial grave sem controle, câncer de endométrio, doença hepática grave e sangramento vaginal sem causa estabelecida não devem fazer o tratamento, pois existe aumento do risco de doenças tromboembólicas, como coágulos nas pernas, ou pulmão e derrame, situações graves”, alerta Renato.        

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Mas, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, cerca de 1,8 milhão de pessoas ainda não se vacinaram

Mesmo sem nenhum caso de febre amarela em moradores da região, a campanha de vacinação contra a doença continua na cidade de Salvador. A mobilização começou no dia 19 de fevereiro e vai até o dia nove de março. Dentro do período da campanha de vacinação, foram aplicadas pouco mais de 13 mil doses na população não imunizada. Mesmo assim, a Secretaria Municipal de Saúde de Salvador, comenta que metade da população ainda necessita se vacinar.

 

MAIS: Macacos macacos não resolve problema da febre amarela, diz

O Coordenador de Imunização do Estado da Bahia, Ramon Saavedra, comenta que ações ainda estão sendo ajustadas para que as vacinas possam chegar a quem precisa se imunizar. “Oferecer a vacina para além da vacina dada no posto de saúde no horário de expediente comercial. Tentar vacinar casa a casa, fazer postos volantes de vacina em áreas estratégicas como shopping centers e mercados”, disse Ramon.

Apesar de Salvador ter mobilizado a população para se imunizar contra a febre amarela, boa parte dos moradores ainda não foi às unidades de saúde para tomar a vacina. Com uma população de mais de dois milhões e quinhentos mil habitantes, a expectativa era atingir cerca de 1,2 milhão de pessoas.

O balanço feito pela Secretaria Municipal de Saúde de Salvador, porém, aponta que apenas quatro mil doses foram aplicadas no último fim de semana. Mesmo assim, a cobertura vacinal na capital atingiu 56,4% da população. A subcoordenadora de imunização de Salvador, Doiane Lemos, reforça que os baianos devem procurar as unidades de saúde o quanto antes. “Metade da população vacinada é um contingente significativo a vacinar. Então por isso a importância”, diz Doiane.

 

PRIMEIRA IMUNIZAÇÃO

O professor de história, Henrique Silva, de 28 anos, se vacinou recentemente contra a febre amarela. Morador do Bairro de Cabula, ele comenta que a mãe, que trabalha na área da saúde, lembrou de algumas vacinas que ele precisava atualizar. Com isso, Henrique foi à unidade de saúde da região em que vive e se imunizou. 
Ele convida a população que ainda não se vacinou, a comparecer aos postos de saúde. “Queria convidar o povo de Salvador, soteropolitanos, para ir aos postos de saúde para a campanha da febre amarela, para poder se prevenir e evitar o contágio da doença, né? A única forma de evitar a doença da febre amarela é a vacinação”, comenta o professor.

Busque um posto de saúde e realize a prevenção contra a doença. A meta é de ainda vacinar cerca de 1,8 milhão de pessoas, até o final da campanha de vacinação contra a febre amarela. No Bairro Cabula, por exemplo, basta você ir à unidade da Rua Pernambuco, Tancredo Neves. Ao todo, são 51 pontos de vacinação espalhados pelos bairros de Salvador. Um deles fica localizado no bairro Cabula, na Rua Pernambuco, Tancredo Neves. O horário de funcionamento da unidade é de oito horas da manhã, até às cinco horas da tarde, de segunda à sexta. Para saber mais, acesse saude.gov.br/febreamarela.

#febreamarela


Agência Rádio Mais

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Mais comum em mulheres, desordem pode prejudicar autoestima e convívio social

Expressão máxima da felicidade, o sorriso é considerado peça-chave para uma boa autoestima e, muitas vezes, até para um bom convívio social. Vínculo de aproximação entre as pessoas, quando ele não é harmônico, pode comprometer a imagem pessoal, afetar a sociabilidade – deixando-a tímida e introspectiva pelo simples medo de sorrir –, comprometendo até mesmo a vida profissional.

“Uma das desordens bucais que mais incomoda, principalmente as mulheres – mais afetadas pelo problema – é o sorriso gengival”, afirma Dr. Paulo Coelho Andrade, mestre e especialista em implatodontia e odontologia estética. Ele é caracterizado pela exposição excessiva da gengiva e pode ser identificado quando ela, ao sorrir, fica acima de 4mm.

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Técnica, que alia meditação à boa alimentação e emagrecimento, propõe autoconhecimento e vivência do presente no ato da nutrição, experimentando sabores, texturas e aromas

 

A alimentação é um ato instintivo e caracterizado, sob o ponto de vista biológico, como a simples ingestão de nutrientes essenciais para o bom funcionamento do organismo. Entretanto, a relação humana com a comida ultrapassa a mera satisfação de uma necessidade. “Comer virou sinônimo de deleite e emoção: traz conforto, bem-estar e, muitas vezes, até culpa”, articula o médico e nutrólogo Dr. Lucas Penchel.

Estabelecer uma relação saudável com a comida é a proposta do Mindful Eating que, em tradução livre, significa alimentação consciente. A prática – que não é uma dieta – está presente em todos os programas das técnicas meditativas orientais como o Mindfulness. Este se caracteriza por estado mental de atenção plena, onde se controla a capacidade de concentração em atividades, experiências e sensações do presente.

De acordo com médico, o ato de se alimentar conscientemente é um processo educativo que, além de poder ajudar a sanar desordens alimentares como a compulsão, induz o indivíduo a fazer escolhas saudáveis que sejam prazerosas e satisfaçam suas necessidades físicas e psicológicas. Ele dá algumas dicas de Mindful Eating para quem deseja despertar o alimentar consciente:

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Caso da atriz Selena Gomez, que divulgou sofrer de lúpus, chamou a atenção para os efeitos da doença em mulheres, atingindo quase sempre a saúde dos rins

selena gomes francia raisa170922 115033

As mulheres são as principais vítimas do lúpus, doença em que o sistema imunológico do corpo ataca as próprias células e órgãos, acometendo os rins em metade dos casos. De uma maneira geral, as infecções do trato urinário são mais comuns nas mulheres, tendo o risco aumentado tanto na gravidez, quanto na menopausa. Por isso, em 2018 o tema do Dia Mundial do Rim – celebrado todo ano em março - é justamente a saúde da mulher.

A cantora norte-americana Selena Gomez surpreendeu o mundo com a notícia de que realizou transplante de rim. O procedimento aconteceu como forma de tratar a doença renal provocada pelo lúpus, que ela descobriu em 2015 e atingiu gravemente seus rins. A nefrologista Ana Beatriz Barra, gerente médica da Fresenius Medical Care, explica que o lúpus é raro e em termos de doença renal crônica responsável por menos de 1% dos casos, junto com outras patologias que causam falência renal. Nestes casos, o transplante não costuma ser uma abordagem inicial comum, pois nem sempre é possível, disponível ou mesmo desejável. Nestes casos a diálise é a opção de terapia substitutiva da função renal.

"Nem sempre o transplante é possível, quer seja pela disponibilidade de um doador, quer seja pelas condições clínicas do paciente. E também pode acontecer de não ser desejado pelo paciente; especialmente pelos muito idosos ou por aqueles que por algum motivo temem o procedimento. Hoje o paciente em diálise pode ter uma boa qualidade de de vida, ser produtivo, manter suas atividades e concretizar sonhos. É importante esclarecer isso. O transplante é maravilhoso. Tem a grande vantagem de oferecer maior liberdade, uma vida o mais próxima possível da normal. Mas o paciente que não tem esta oportunidade também pode viver bem, mesmo que não seja transplantado. Uma boa avaliação médica deve observar as características clínicas, psicológicas e de estilo de vida de cada paciente para decidir o melhor tratamento", explica a médica Ana Beatriz Barra.

Para quem não sabe o rim é o único órgão que pode ter sua função substituída por um equipamento, que faz a filtração do sangue, em procedimentos que duram até quatro horas, com a periodicidade de três a seis vezes por semana. A dra. Ana Beatriz Barra destaca que com a evolução das terapias existentes, o paciente renal tem conseguido obter uma boa qualidade de vida.

"Acaba de chegar ao Brasil uma nova terapia que renova a esperança dos doentes renais: a hemodiafiltração de alto volume, também conhecida como High Volume HDF. Esta terapia se diferencia da hemodiálise porque permite uma melhor remoção de toxinas, que são nocivas para o organismo e não eram removidas de forma adequada pela hemodiálise. Estudos científicos demonstram que com este tratamento, o paciente é menos hospitalizado, tem uma melhor qualidade de vida e menor mortalidade", explica a nefrologista.

Na Europa, cerca de 20% dos pacientes em diálise realizam HDF de alto volume, que é reconhecida como a modalidade de tratamento de diálise mais eficaz e que mais se aproxima da função do rim natural. Em Portugal, por exemplo, 60% de todos os pacientes em diálise realizam a terapia High Volume HDF que está agora chegando ao Brasil, trazida pela Fresenius Medical Care. Lá são 32 hospital públicos e 92 clínicas privadas oferecendo a terapia - em 93% dos casos os equipamentos são da Fresenius.

Os benefícios da HDF de alto volume são:

- Redução do risco de queda da pressão arterial durante a diálise

- Mais disposição para as atividades diárias e melhor qualidade de vida

- Redução de episódios de internação

- Melhor sobrevida

Estudos que comprovam a eficiência do tratamento - O maior estudo sobre esta terapia foi realizado na Espanha, encomendado pelo governo da Catalunha (Estudo ESHOL), com 906 pacientes, sendo destes 450 em hemodiálise e 456 em hemodiafiltração de alto volume, e acompanhados por 36 meses. Os resultados demonstraram 30 % de redução da mortalidade por todas as causas, 22% de redução de risco de todas as causas de hospitalização e 28% de redução do risco de incidência de episódios de hipotensão (pressão baixa) durante o tratamento.

Fresenius Medical Care - Com sede em Bad Homburg, na Alemanha, é a maior companhia provedora de produtos e serviços para indivíduos com doenças renais, dos quais cerca de 2,8 milhões estão em tratamento dialítico. Por meio de uma rede de 3.714 clínicas de diálise, a Fresenius Medical Care fornece tratamento a mais de 300 mil pacientes ao redor do planeta. A multinacional é também líder na fabricação de produtos para diálise como máquinas e dialisadores. Com time formado por mais de 110 mil colaboradores, distribuídos pelos cinco continentes, a empresa está presente no Brasil há mais de 20 anos. No final de 2017, abriu duas novas clínicas em São Paulo (Perdizes e Jardins), ofertando a mais moderna tecnologia disponível para o tratamento da doença renal. O compromisso da Fresenius Medical Care é criar um futuro que vale a pena viver. Para pacientes. Ao redor do mundo. Todos os dias.