Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

A gordura localizada, estrias, celulite, flacidez, alopecia ou calvície e o envelhecimento cutâneo, são alguns dos problemas que podem ser combatidos ou suavizados por meio do uso da técnica intitulada Intradermoterapia ou Mesoterapia. Moda entre famosas nacionais (Juliana Knust, Kelly Key, Gabriela Pugliesi, Julia Faria e Cláudia Raia) e internacionais (Paris Hilton, Cindy Crawford e Cate Blanchett), o tratamento de origem francesa, vem se tornando popular no Brasil por apresentar resultados já na primeira sessão.

A farmacêutica e cosmetóloga da Clínica Penchel, Juliana Coelho, explica que o tratamento consiste na aplicação de enzimas e proteínas sob ou abaixo da pele para o auxílio na aceleração de reações químicas que ajudam na absorção de gorduras corporais e faciais. “Por meio de microagulhas de quatro ou seis milímetros de comprimento são introduzidas pequenas quantidades de ativos, que são escolhidos em função de seus efeitos terapêuticos sobre o órgão alvo, próximo ao local da aplicação. O método tem como princípio básico a utilização mínima de substâncias químicas somente na área a ser tratada. Assim, ele não atinge ou afeta outros órgãos, proporciona uma forte ação seletiva e garante uma maior efetividade”, esclarece.

O uso da Intradermoterapia é muito diverso, sendo direcionado para o controle ou amenização de diversas queixas e disfunções que demandam tratamentos realizados localmente, como por exemplo, as enfermidades reumáticas e traumáticas, e as imperfeições estéticas.

Dependendo das necessidades do paciente e dos efeitos esperados para cada caso, as soluções empregadas no tratamento podem ser formadas pela combinação de vitaminas, minerais, enzimas, extratos de plantas, anestésicos, medicações alopáticas e aminoácidos.  Segundo Juliana Coelho, o uso ordenado destas substâncias possui ação lipolítica, ou seja, atuam na eliminação de células adiposas e assim melhoram a circulação sanguínea. “Ao ser introduzido no paciente, esse conjunto de ativos age na quebra da gordura, a decompondo em micropartículas que podem ser absorvidas e metabolizadas pelo organismo”, elucida.

Com um mínimo potencial invasivo e praticamente indolor, esse tipo de terapia pode ser realizado em várias partes do corpo, como os glúteos, abdômen, coxas, braços e costas. “Por contribuírem para a eliminação, catalização e controle da presença da gordura no organismo, as enzimas têm sido muito procuradas para auxiliar no processo de emagrecimento, contorno corporal, melhora na qualidade de vida e aumento da eficácia dos resultados de atividades físicas”, ressalta.

 

Conforme Juliana, o número e a frequência das sessões irão depender da intensidade da patologia instalada e das respostas apresentadas pelo organismo de cada paciente. “Como regra geral, a nossa clínica efetua de 1 a 2 sessões semanais durante o período de tempo que for essencial para o resultado desejado para aquela queixa em específico. É preciso lembrar que não existe a necessidade de períodos de recuperação ou repouso”, comenta.

 

O principal benefício deste método é sua ação localizada e objetiva, pois, assim ela impede reações desagradáveis como as intoxicações hepáticas, distúrbios intestinais e renais, e lesões no estômago (gastrites e úlceras). “Sendo comum em tratamentos sistêmicos, ou seja, terapêuticas compostas pela ingestão de comprimidos e aplicações de injeções, estes efeitos indesejáveis acontecem devido ao fato de que tais substâncias são distribuídas por todo o corpo antes de atingirem o alvo do problema”, destaca.

Ainda que ofereça ótimos resultados, é necessário lembrar que os ganhos da técnica também dependem da adoção de uma alimentação balanceada e a prática de exercícios físicos. “Além disso, é essencial advertir que o tratamento deve ser feito com o apoio de profissionais qualificados para que não ocorram erros ou surjam efeitos inesperados como a ocorrência de inflamações, alergias, infecções e alterações no contorno do corpo”, conclui.   

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

 

Apaixonada pelo poder dos alimentos, a nutricionista Sabina Donadelli garante que a comida pode fazer maravilhas pelas pessoas. E ela sabe o que está falando. Formada e pós-graduada em Nutrição, a profissional alia seus conhecimentos da escola clássica com estudos da fitoterapia e dietoterapia oriental, como a chinesa e a indiana.

Sabina afirma que nas doses e combinações certas, as refeições podem auxiliar no tratamento de doenças, auxiliam na perda de peso, corrigem distúrbios, espantam a tristeza, rejuvenescem a aparência e, entre tantos outros benefícios, ainda nos levam à felicidade.

Mas vale lembrar que cada indivíduo é único e, portanto, dono de um metabolismo que deve ser investigado e considerado na hora de elaborar uma dieta equilibrada e eficaz. Ou seja: não existe uma dieta preestabelecida que funcione para todos.

Em seu consultório, Sabina analisa o paciente integralmente observando o biótipo, a estrutura física e também hábitos, crenças e estilo de vida para só, então, montar um programa de reeducação alimentar que promove o bem-estar, elimina o excesso de peso quando necessário, dispensa os remédios e, sobretudo, nos torna mais vivos e conscientes da riqueza que uma boa alimentação proporciona.

A nutricionista acompanha e participa de todo o processo, orientando e estimulando. Apaixonada pelo poder dos alimentos, ela ressalta que a atenção ao que se come é um gesto de carinho e responsabilidade por nós mesmos e por quem amamos.

Mais dispostos e saudáveis, graças à uma dieta equilibrada, podemos dar atenção aos nossos projetos e planos e construir histórias de vida mais felizes e duradouras. Ela é membro da Academia Brasileira de Gastronomia.

Para saber um pouco mais sobre o trabalho da nutricionista, acesse o site - http://www.sabinadonadelli.com.br/. Siga as dicas de como se alimentar e viver melhor também pelo instagram @sabinadonadellinutricao ou pelo facebook - http://www.facebook.com/SabinaDonadelliNutricao

 

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Atualmente no Brasil,  9,4% das meninas e 12,7% dos meninos estão obesos

O Brasil se prepara para receber cerca de 36 milhões alunos em suas escolas públicas e privadas em 2019, segundo o senso escolar do MEC, divulgado em 31 de janeiro deste ano. Nesse ambiente de aprendizado existe um risco eminente à saúde que acaba fugindo aos olhos dos professores e até mesmo dos pais: a alimentação dos alunos.

Especialistas alertam que bons hábitos alimentares em escolas são imprescindíveis para a educação alimentar e a saúde dos jovens. “Não adianta ter uma dieta balanceada em casa se a criança ou o adolescente chega na escola e acaba comendo alimentos calóricos. A fuga dessa rotina alimentar pode criar reservas de energia excessivas no organismo, acarretar o acúmulo de gordura e até mesmo causar obesidade”, alerta Dr. Henrique Eloy, médico clínico geral, especialista em cirurgia e endoscopia bariátrica e gastroenterologia.

Na maioria dos casos, as lanchonetes de escolas vendem alimentos embalados, processados, industrializados, refrigerantes e frituras. São exatamente esses os exemplos que devemos instruir as crianças a não consumirem. “Hoje no Brasil 9,4% das meninas e 12,7% dos meninos estão obesos. Boa parte dessa responsabilidade se refere a má alimentação nas escolas”, comenta Dr. Henrique.

Mas, o perigo não está apenas nos ambientes de ensino. Ele também pode vir de casa. “Muitas vezes, por causa da falta de tempo, os pais preferem o fast food nas lancheiras por ser mais prático, rápido e barato. Vejo também que para tentar satisfazer a vontade dos filhos, alguns pais acabam cedendo e colocando biscoitos recheados, sucos de caixinha, balas, doces e até mesmo sanduíches nas lancheiras, ao invés de frutas e alimentos naturais. Essas atitudes são abomináveis porque é um incentivo tremendo para o mau hábito alimentar”, alerta o médico.

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Substância não pode ser consumida pela população por ser cancirogênica

Agência determinou recolhimento de lote da marca Dicel

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) proibiu nesta segunda-feira (20) a venda e determinou o recolhimento de um lote de paçoca.

 

Trata-se do lote 0027 da Paçoca Rolha, da marca Dicel. Segundo a agência, o produto "excedeu limite do teor de aflatoxinas. Essas substâncias são tóxicas e carcinogênicas".

"De acordo com relatório do Laboratório de Análise Micotoxicológicas de Santa Maria (RS), foi detectado teores de aflatoxinas acima do Limite Máximo Tolerado permitidos para amendoim com casca, descascado, cru ou tostado, pasta de amendoim ou manteiga de amendoim", acrescena a Anvisa.

 

Outros dois produtos também foram proibidos pela Anvisa. Um deles é o Papá no Prato. De acordo com o órgão fiscalizador, os alimentos são vendidos na internet "por fabricante desconhecido e nenhum deles possuíam registro na agência".



Anvisa

 

Anvisa proíbe lote de paçoca por excesso de substância com potencial cancerígeno - InfoMoney
Veja mais em: https://www.infomoney.com.br/minhas-financas/consumo/noticia/6254182/anvisa-proibe-lote-pacoca-por-excesso-substancia-com-potencial-cancerigeno
Anvisa proíbe lote de paçoca por excesso de substância com potencial cancerígeno - InfoMoney
Veja mais em: https://www.infomoney.com.br/minhas-financas/consumo/noticia/6254182/anvisa-proibe-lote-pacoca-por-excesso-substancia-com-potencial-cancerigeno
Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

2019 já está batendo à porta e essa é a melhor época para fazer planos para o novo ano. Além de um novo emprego, um casamento, aquela viagem dos sonhos, muitos casais começam a se programar para aumentar a família. E como todo projeto novo é preciso planejamento e organização.
 
Uma das opções para a realização do sonho da maternidade e da paternidade pode ser através das técnicas de reprodução assistida, especialmente com o aparecimento das novas configurações familiares. Professor Titular do Departamento de Ginecologia da Faculdade de Medicina da UFMG e especialista no assunto da Clínica Origen, o médico Selmo Geber, explica que “a reprodução assistida tem ajudado casais heterossexuais, casais homoafetivos e, mulheres e homens sem parceiros que desejam se tornar pais e mães.”
 
O especialista explica que houve um aumento da procura de casais homoafetivos e pessoas solteiras pela reprodução assistida nos últimos tempos. O que demonstra, felizmente, a consolidação dessas relações familiares no país. O processo é tranquilo, mas requer o acompanhamento dos especialistas, tanto médicos quanto psicólogos.
 
Nestes casos, o primeiro passo é o casal procurar uma clínica de reprodução assistida para, junto com o médico especialista, definir o melhor método para se conseguir a gravidez. “No caso de um casal do sexo masculino, é preciso utilizar o tratamento de Fertilização in vitro  com útero de substituição que receberá um embrião formado pelo espermatozoide de um dos dois e por um óvulo doado anonimamente. Para um casal do sexo feminino, elas precisarão recorrer a um banco de sêmen para fazer o tratamento”, esclarece o médico.