Governador destacou a importância histórica de Nelson Mandela como promotor da paz e a necessidade da construção de ambiente político harmônico no Estado

O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, presidiu, nesta sexta-feira (21/04), em Ouro Preto, a solenidade de entrega da Medalha da Inconfidência. A comenda – a maior honraria concedida pelo Estado de Minas Gerais – foi homenageia personalidades que contribuíram para o desenvolvimento de Minas Gerais e do Brasil. O Grande Colar foi entregue, in memoriam, a Nelson Mandela, ex-presidente da África do Sul, representado na solenidade pelo embaixador da África do Sul no Brasil, Ntshikiwane Joseph Mashimbye.

Em seu discurso, Pimentel destacou a importância histórica dos dois líderes homenageados na cerimônia, Nelson Mandela e Tiradentes, como personalidades a serem lembradas nos tempos atuais. “Estamos concentrados na praça em que culminou o suplício a que Tiradentes foi submetido em 21 de abril de 1789. Aqui veio a ser exposta a cabeça do mártir, em poste de ignomínia. Lembrar essa violência também é parte do nosso dever histórico, como é parte dele lembrar os 27 anos de prisão arbitrária e injusta impostos a Nelson Mandela. Mais do que nunca, no Brasil e no mundo de hoje, recuperar o exemplo histórico desses dois líderes é imprescindível”, reforçou.

O governador reforçou a importância da construção de um ambiente político harmônico em Minas Gerais. “O compromisso com a paz e a fraternidade desde logo se manifesta no equilíbrio entre os poderes do Estado e na convergência de vontades em favor da concórdia e do combate aos efeitos devastadores da crise. Sem isso, não temos como ir adiante na luta pelos direitos da cidadã e do cidadão atingidos pela recessão econômica, pelas tensões sociais e pela fragilização do sistema político. Unimos as forças vitais dos mineiros e das mineiras na direção do soerguimento do nosso Estado e do nosso País”, destacou.

Homenageado com a Grande Medalha, o governador de Alagoas, Renan Filho, destacou que Tiradentes foi referência na luta pela liberdade no Brasil. Ele ainda parabenizou o Governo de Minas Gerais pela homenagem a Nelson Mandela. 

"Queria dizer que, assim como Tiradentes é um herói nacional, Mandela é uma das principais referências mundiais na luta pela liberdade, pela igualdade racial. Eu fico muito feliz, sobretudo como governador de Alagoas, porque um dos heróis nacionais, o alagoano Zumbi dos Palmares, é também uma grande referência, assim como Tiradentes, na luta pela igualdade, pela liberdade, igualdade entre as raças", disse. "Estar aqui recebendo uma homenagem feita a Mandela para mim é uma grande satisfação", completou. 

 

Agraciados

Criada em 1952 pelo governador Juscelino Kubitscheck, a Medalha da Inconfidência possui quatro designações: Grande Colar, Grande Medalha, Medalha de Honra e Medalha da Inconfidência. Entre os homenageados deste ano estão governadores de estado, parlamentares, magistrados, artistas, professores, militares, juristas, médicos, advogados, gestores públicos, historiadores, religiosos, esportistas e empresários. 

Agraciado com a Grande Medalha, Marcio Heli de Andrade, Procurador-Geral da Justiça Adjunto Jurídico do Ministério Público de Minas Gerais, reforçou a necessidade de mais pessoas trabalharem em torno de grandes ideais como Nelson Mandela, que pregava a paz. “Receber uma medalha é sempre uma grande honra para qualquer pessoa. Eu tenho um enorme prazer em estar aqui e ser homenageado, especialmente pelo povo de Minas Gerais. Me sinto muito honrado em receber a medalha no mesmo dia em que o Nelson Mandela também é homenageado, pois ele foi um grande homem que lutou bravamente pelo povo da África e atingiu um nível de reconhecimento mundial”.

Para o ator e humorista Saulo Laranjeira, que recebeu a Medalha de Honra, o reconhecimento neste dia 21 de abril reforça a cena cultural em Minas Gerais e valoriza a atuação do corpo cênico no Estado. “É um reconhecimento que justifica a nossa luta, nosso compromisso com o Estado. Quando eu estava vindo para cá, passou um filme na minha cabeça, de como eu cheguei até aqui, minhas idas nos sertões, viajando pelo interior, plantando meu trabalho e minhas ideias. Isso é uma coisa que a faz a gente se emocionar bastante. É uma homenagem que faz a gente pensar na nossa história, e justifica todo esse tempo que a gente se doou para colaborar com a emoção que o meu trabalho conta, com a música e com o humor. Quanta gente por esse Minas Gerais já me abraçou, já agradeceu e hoje é mais um reconhecimento”, afirmou.

Para o técnico do Cruzeiro, Mano Menezes, a relevância da entrega da medalha vai além de um ato simbólico, servindo de inspiração para outras pessoas. “Me sinto muito contente, muito orgulhoso em receber essa honraria que foi dada a tantas personalidades tão grandes, que servem como uma referência. Você olhar para trás, ver nas pessoas que fizeram algo pelo país e pelo mundo, como é o caso do Nelson Mandela, que tentaram mudar o momento que a gente vive hoje”, acredita.

 

Homenagens às mulheres

Para a atriz Inês Peixoto, do Grupo Galpão, que recebeu a Medalha de Honra, a homenagem teve um significado especial. “Eu me sinto honrada como mulher, como atriz e como representante das artes cênicas de Minas Gerais. Eu acho muito importante esse reconhecimento porque quanto a gente faz um trabalho como o meu, eu não estou aqui sozinha eu estou representando várias pessoas. Para nós mulheres, nesse momento que a gente está vivendo é muito importante sermos lembradas. Ser lembrada como mulher, atriz”, afirmou. 

Para a vereadora de Belo Horizonte, Áurea Carolina de Freitas e Silva, agraciada com a Medalha da Inconfidência, a ideia é que mais mulheres possam ter sua atuação reconhecida, independentemente do seu campo de atuação.  “Minha atuação hoje nesse evento é de grande importância, pois ela vem da representatividade das mulheres negras, de luta na política. Nelson Mandela é a grande referência, como enfrentamento ao racismo e todas as formas de resistência contra a opressão. O reconhecimento hoje, aqui, é a afirmação dessa postura de compromisso com a democracia”.

Para a cantora Fernanda Takai, é importante a valorização feminina em todos os setores, principalmente junto à arte e a cultura do Estado. “Fazer parte do panorama da cultura de Minas Gerais e ser lembrada com essa medalha é um sentimento muito bom de realização. Através da arte a gente encontra muita saídas paras as coisas que estão sem caminho. Além do entretenimento, das músicas e das letras a gente também trabalha com a questão da cidadania de postura social. E nessa medalha com certeza nos lembramos disso, das nossas atitudes como cidadã”, reforçou.

De acordo com a Constituição do Estado, no 21 de abril, a capital de Minas Gerais é transferida simbolicamente para Ouro Preto, que foi a capital do Estado de 1823 até 1897.  

O governador Fernando Pimentel foi recebido com honras militares. Em seguida, pôs flores no monumento a Tiradentes e recebeu o fogo simbólico, acendendo a Pira da Liberdade. Houve também salva de 21 tiros. O hino nacional do Brasil foi executado pela Orquestra Sinfônica da Polícia Militar de Minas Gerais

 

Mandela

Mandela foi um ativista político que se destacou pela capacidade de diálogo, pelo poder de agregação e luta incessante pela justiça social, a democracia e a igualdade de direitos. Símbolo da luta contra o apartheid, regime que segregava os negros, a quem não era reconhecida a maioria dos direitos políticos, econômicos e sociais, na África do Sul, ficou preso durante 27 anos. Sua libertação foi objeto de intensa campanha internacional, tornando-se, em 1994, o primeiro presidente negro da história de seu país.