Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

É uma ferramenta inteligente que calcula a partir dos dados inseridos pela mulher, quando provavelmente será o seu período fértil

 Calculadora periodo fertil

Principalmente entre mulheres que estão na tentativa por uma gestação, identificar o período fértil pode ser complexo. Basicamente a ‘semana’ de fertilidade feminina ocorre em média 14 dias após o período menstrual.
 
Atualmente existem calculadoras de período fértil que ajudam a mulher a descobrir exatamente qual o próprio período fértil e quando seria mais indicado tentar uma gestação com sucesso.
 
Como este recurso da calculadora funciona?
 
Uma das calculadoras de período fértil mais acessadas atualmente é a disponibilizada pelo portal Trocando Fraldas – conhecido principalmente por sua atuação voltada a mulheres tentantes (que estão em busca de uma gestação).
 
A calculadora de período fértil funciona da seguinte maneira: a mulher insere na ferramenta a data da última menstruação e a quantidade de dias de seu ciclo. A ferramenta dará o resultado de quando será a próxima menstruação e provável semana fértil da mulher.
 
Quais os sinais que o corpo emite de que a mulher está ovulando?
No geral, os principais sinais de que a mulher está ovulando são: presença de muco de cor esbranquiçada ou com aparência de clara de ovo; temperatura mais baixa que o normal; aumento da libido sexual e dores ou incômodos em um ou ambos os lados na região pélvica.
 
E se a mulher ainda assim não consegue uma gestação?
É importante que se consulte com um especialista, que pedirá exames para tentar detectar qual a origem do problema. Se a mulher não apresentar problemas, exames podem ser solicitados ao seu parceiro.

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

 

Especialista explica as principais questões sobre a prática

A menopausa caracteriza-se pelo fim da fase reprodutiva da mulher que acontece entre 45 e 55 anos. Dentre os sintomas, podemos destacar ondas de calor, suores noturnos, menstruação irregular, ansiedade ou depressão, fatores decorrentes da queda dos hormônios produzidos em doses adequadas pelos ovários no organismo. “Neste cenário, a terapia hormonal possibilita uma melhora dos sintomas. A escolha do método hormonal, dose e via de administração depende da necessidade e indicação para cada caso”, explica Renato de Oliveira, ginecologista responsável pela área de reprodução humana da Criogênesis. 

Apesar da relevância do tema, existem ainda muitas dúvidas e receios em relação a reposição hormonal. Abaixo, o especialista desvenda os principais mitos e verdades sobre o tema.       

 

Todas as mulheres podem fazer reposição hormonal  

Mito. Antes de iniciar o tratamento é fundamental consultar um especialista para diagnosticar doenças e possíveis complicações relacionadas à reposição hormonal. “Pacientes com câncer ou lesão suspeita na mama, acidente vascular cerebral (derrame), trombose, hipertensão arterial grave sem controle, câncer de endométrio, doença hepática grave e sangramento vaginal sem causa estabelecida não devem fazer o tratamento, pois existe aumento do risco de doenças tromboembólicas, como coágulos nas pernas, ou pulmão e derrame, situações graves”, alerta Renato.        

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Técnica, que alia meditação à boa alimentação e emagrecimento, propõe autoconhecimento e vivência do presente no ato da nutrição, experimentando sabores, texturas e aromas

 

A alimentação é um ato instintivo e caracterizado, sob o ponto de vista biológico, como a simples ingestão de nutrientes essenciais para o bom funcionamento do organismo. Entretanto, a relação humana com a comida ultrapassa a mera satisfação de uma necessidade. “Comer virou sinônimo de deleite e emoção: traz conforto, bem-estar e, muitas vezes, até culpa”, articula o médico e nutrólogo Dr. Lucas Penchel.

Estabelecer uma relação saudável com a comida é a proposta do Mindful Eating que, em tradução livre, significa alimentação consciente. A prática – que não é uma dieta – está presente em todos os programas das técnicas meditativas orientais como o Mindfulness. Este se caracteriza por estado mental de atenção plena, onde se controla a capacidade de concentração em atividades, experiências e sensações do presente.

De acordo com médico, o ato de se alimentar conscientemente é um processo educativo que, além de poder ajudar a sanar desordens alimentares como a compulsão, induz o indivíduo a fazer escolhas saudáveis que sejam prazerosas e satisfaçam suas necessidades físicas e psicológicas. Ele dá algumas dicas de Mindful Eating para quem deseja despertar o alimentar consciente:

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Mas, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, cerca de 1,8 milhão de pessoas ainda não se vacinaram

Mesmo sem nenhum caso de febre amarela em moradores da região, a campanha de vacinação contra a doença continua na cidade de Salvador. A mobilização começou no dia 19 de fevereiro e vai até o dia nove de março. Dentro do período da campanha de vacinação, foram aplicadas pouco mais de 13 mil doses na população não imunizada. Mesmo assim, a Secretaria Municipal de Saúde de Salvador, comenta que metade da população ainda necessita se vacinar.

 

MAIS: Macacos macacos não resolve problema da febre amarela, diz

O Coordenador de Imunização do Estado da Bahia, Ramon Saavedra, comenta que ações ainda estão sendo ajustadas para que as vacinas possam chegar a quem precisa se imunizar. “Oferecer a vacina para além da vacina dada no posto de saúde no horário de expediente comercial. Tentar vacinar casa a casa, fazer postos volantes de vacina em áreas estratégicas como shopping centers e mercados”, disse Ramon.

Apesar de Salvador ter mobilizado a população para se imunizar contra a febre amarela, boa parte dos moradores ainda não foi às unidades de saúde para tomar a vacina. Com uma população de mais de dois milhões e quinhentos mil habitantes, a expectativa era atingir cerca de 1,2 milhão de pessoas.

O balanço feito pela Secretaria Municipal de Saúde de Salvador, porém, aponta que apenas quatro mil doses foram aplicadas no último fim de semana. Mesmo assim, a cobertura vacinal na capital atingiu 56,4% da população. A subcoordenadora de imunização de Salvador, Doiane Lemos, reforça que os baianos devem procurar as unidades de saúde o quanto antes. “Metade da população vacinada é um contingente significativo a vacinar. Então por isso a importância”, diz Doiane.

 

PRIMEIRA IMUNIZAÇÃO

O professor de história, Henrique Silva, de 28 anos, se vacinou recentemente contra a febre amarela. Morador do Bairro de Cabula, ele comenta que a mãe, que trabalha na área da saúde, lembrou de algumas vacinas que ele precisava atualizar. Com isso, Henrique foi à unidade de saúde da região em que vive e se imunizou. 
Ele convida a população que ainda não se vacinou, a comparecer aos postos de saúde. “Queria convidar o povo de Salvador, soteropolitanos, para ir aos postos de saúde para a campanha da febre amarela, para poder se prevenir e evitar o contágio da doença, né? A única forma de evitar a doença da febre amarela é a vacinação”, comenta o professor.

Busque um posto de saúde e realize a prevenção contra a doença. A meta é de ainda vacinar cerca de 1,8 milhão de pessoas, até o final da campanha de vacinação contra a febre amarela. No Bairro Cabula, por exemplo, basta você ir à unidade da Rua Pernambuco, Tancredo Neves. Ao todo, são 51 pontos de vacinação espalhados pelos bairros de Salvador. Um deles fica localizado no bairro Cabula, na Rua Pernambuco, Tancredo Neves. O horário de funcionamento da unidade é de oito horas da manhã, até às cinco horas da tarde, de segunda à sexta. Para saber mais, acesse saude.gov.br/febreamarela.

#febreamarela


Agência Rádio Mais

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Mais comum em mulheres, desordem pode prejudicar autoestima e convívio social

Expressão máxima da felicidade, o sorriso é considerado peça-chave para uma boa autoestima e, muitas vezes, até para um bom convívio social. Vínculo de aproximação entre as pessoas, quando ele não é harmônico, pode comprometer a imagem pessoal, afetar a sociabilidade – deixando-a tímida e introspectiva pelo simples medo de sorrir –, comprometendo até mesmo a vida profissional.

“Uma das desordens bucais que mais incomoda, principalmente as mulheres – mais afetadas pelo problema – é o sorriso gengival”, afirma Dr. Paulo Coelho Andrade, mestre e especialista em implatodontia e odontologia estética. Ele é caracterizado pela exposição excessiva da gengiva e pode ser identificado quando ela, ao sorrir, fica acima de 4mm.